• Especial por:
  • Pessoas

São estes os finalistas dos Pessoas Awards 2020

A Revista Pessoas já reuniu os finalistas da primeira edição dos "Pessoas Awards", que distinguem empresas em Portugal pelo talento, disrupção e práticas inovadoras na gestão de pessoas.

A revista Pessoas já nomeou os finalistas dos Pessoas Awards, que querem dar a conhecer as melhores práticas na gestão de pessoas em Portugal. Da banca ao retalho, entre empresas e personalidades, há 25 finalistas para as dez categorias da primeira edição do prémio, relativa a 2020.

Este ano, as categorias ao prémio distinguem pessoas ou organizações em matéria de:

  • “lifetime achievement”, a liderança de pessoas pela sua carreira;
  • “recrutador”, pela inovação de processos e empenho na contratação e retenção de talento;
  • “formação e competências”, sobre o foco e investimento em formação e competências dos colaboradores;
  • “out of the box”, pela disrupção de processos e metodologias ao serviço da gestão de pessoas;
  • “diversidade e inclusão”, pelas políticas e práticas que promovem as dimensões de diversidade, inclusão e igualdade de oportunidades dentro da organização;
  • “felicidade”, importância de políticas como o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, o direito a desligar e bem-estar;
  • “liderança”, pelas práticas de liderança e o envolvimento do líder dentro da organização;
  • “sofisticação laboral”, pela implementação e/ou manutenção de práticas amigas do bem-estar e códigos de conduta e que colocam o trabalhador no centro da ação;
  • e “master em comunicação”, que premeia empresas ou perfis cuja política de comunicação é valorizada de dentro para fora.
  • Por fim, os PA terão ainda um prémio atribuído através de votação do público para a categoria “influencer”, que visa distinguir o líder agregador, que inspira e que toca todos com as suas práticas.

“Se as pessoas estão no centro e são referidas como a razão do sucesso das empresas, nada mais pertinente do que premiá-las pelas boas práticas, inspiração, liderança, carisma. Reconhecer as boas pessoas é uma forma de validar as suas competências e premiar a sua sensibilidade e as suas pessoas. Estes desafios ganham ainda mais importância num ano como o de 2020”, sublinha Mariana de Araújo Barbosa, diretora executiva da revista Pessoas.

Os Pessoas Awards contam, na primeira edição, com o apoio da Nova Advogados e do Grupo Bernardo da Costa e os vencedores serão conhecidos no final de março.

A empresa que, pela inovação de processos e empenho na contratação e retenção de talento, se destacou durante o ano de 2020.

Mercadona

A Mercadona conta em Portugal com uma estrutura de 900 colaboradores. Em 2020, abre 20 lojas, distribuídas pelos distritos de Porto, Braga, Aveiro e Viana do Castelo, e espera inaugurar entre oito a 10 lojas em 2021, no Porto, Guimarães, Santa Maria da Feira, Vila Nova de Famalicão e Espinho.

A sua política de recrutamento orienta-se pela garantia de qualidade e sustentabilidade laboral, com base numa política de recursos humanos diferenciada.

O objetivo da cadeia de supermercados espanhola é possibilitar aos colaboradores o desenvolvimento pessoal e a construção de uma carreira em todas as áreas. Para isso, aposta forte nas políticas de progressão salarial e no trabalho em equipa.

Em 2020, a empresa destacou-se pela intensa contratação realizada ao longo de todo o ano, reflexo da sua estratégia de expansão em território nacional, tendo-se mantido fiel aos seus princípios orientadores na gestão de pessoas.

Revolut

O ano de 2015 marcou o nascimento da Revolut no Reino Unido, com um propósito disruptivo na indústria financeira. Tornou-se uma das fintech londrinas que mais cresce na Europa, com 13 milhões de clientes em todo o mundo e mais de 2.000 colaboradores em 20 cidades diferentes. Só em Portugal, soma já meio milhão de clientes.

Em 2019, a startup financeira instalou um centro de Investigação e Desenvolvimento em Matosinhos, a sua segunda maior unidade na Europa. Com esta abertura, a Revolut reforçou a contratação para posições em Portugal – e não só – ao longo de 2020.

Assente em pilares como never settle, stronger together, think deeper e get it done, a tecnológica orienta a sua estratégia de recrutamento em assets como velocidade/agilidade, empenho, pessoas que ponham “a mão na massa”, que façam perguntas, mas aprendam rápido.

Teleperformance

Com 40 anos de experiência, a Teleperformance Portugal assume-se hoje como líder na prestação de serviços de integração digital, com uma equipa de mais de 10 mil colaboradores, de 95 nacionalidades. Foi 10 vezes protagonista do prémio de melhor empresa para trabalhar em Portugal, do Great Place to Work Institute.

A sua estratégia de recursos humanos é orientada para a aposta no desenvolvimento das pessoas, com foco em dois pilares: formação e progressão na carreira. Para isso, contam com vários programas de apoio aos colaboradores, como um Learning Hub, um programa de desenvolvimento de capacidades de liderança e um de leader acceleration, centrado na formação para as competências de gestão.

Em pleno ano de pandemia, a Teleperformance desenvolveu internamente um novo conceito de trabalho em equipa na cloud, para permitir a contração, formação e gestão de equipas num campus virtual. O objetivo? Ajudar os colaboradores a atingir um melhor work-life balance.

Distingue o foco e investimento em formação e competências dos colaboradores, assim como na orientação do plano de carreira dos trabalhadores com a ajuda de coachs e mentores.

OutSystems

Fundada em 2001, a Outsystems opera hoje em 60 países e em mais de 20 indústrias, conta com uma carteira de 1200 clientes e emprega cerca de 1150 pessoas a nível global. Especialista em tecnologia low-code, a startup passou a ser unicórnio em 2018, ou seja, está avaliada em pelo menos mil milhões de dólares.

Como empresa global, empenhou-se em construir uma cultura organizacional sólida, assente em valores que se mantêm inalterados desde o início, espelhados num pequeno livro que compila as sete regras fundamentais para trabalhar na Outsystems.

A aposta na formação é um dos principais pilares da estratégia da tecnológica, também na área de reskilling. As 28 edições da Outsystems Developer School já formaram mais de 500 programadores e a maioria deles encontra-se em processos de recrutamento na rede de clientes e parceiros da empresa.

Jerónimo Martins

Com uma origem que remonta a 1792, o grupo Jerónimo Martins é líder no setor de distribuição alimentar em Portugal, na Polónia e na Colômbia, com mais de 4400 lojas e cerca de 115 mil colaboradores.

A sua política de recursos humanos assenta em quatro vetores principais: formação e desenvolvimento; igualdade e diversidade; compensação e benefícios; e mobilidade na carreira. O compromisso do grupo é promover o desenvolvimento pessoal e profissional dos seus colaboradores, premiando o mérito, criando oportunidades de carreira a longo prazo e alargando o apoio aos seus familiares.

O investimento no desenvolvimento de competências é um dos pilares estratégicos da Jerónimo Martins. Conta, por isso, com uma escola de formação interna desde 2005, com programas de desenvolvimento de competências de liderança relacionados com o modelo de competências da empresa existente em todos os países onde está presente e faz uma aposta complementar na partilha de experiências fora do grupo e contacto com outras realidades de gestão.

Konica Minolta

Com origem japonesa, a Konica Minolta transformou o seu core business e é hoje líder em serviços integrados de IT na Europa, com uma ampla gama de soluções de impressão quer para o mercado office como para o profissional. Conta com mais de 43 mil colaboradores em todo o mundo, dos quais 10.300 na Europa. Desses, 250 estão sedeados em Portugal, distribuídos por quatro escritórios, e a operar com cerca de 3500 clientes ativos.

Em 2019, recebeu uma dupla distinção: foi eleita uma das 100 Melhores Empresas para Trabalhar e venceu o Prémio Especial na categoria de Desenvolvimento Pessoal. Como grande impulsionadora de competências na área da transformação digital, desenvolve atividades de forma a estabelecer a conexão entre todos os trabalhadores e algumas específicas para a melhoria do equilíbrio vida pessoal e profissional.

Para isso conta com programas de desenvolvimento bem estruturados como KM Grow, para estagiários (verão, curriculares, de curta duração ou profissionais), com uma taxa de retenção de 80%; KM Potencial, que tem como objetivo desenvolver e identificar TOP Talent que possam vir a ser os líderes do futuro; e KM Follow, um programa de mentoring que pretende reforçar a cultura organizacional, promover o aconselhamento e a orientação e a partilha de ideias.

Premeia empresas que, pela disrupção de processos e metodologias ao serviço da gestão de pessoas, se distinguiram no ano de 2020.

AGEAS

O Grupo Ageas, um dos líderes no ranking segurador português, conta com 1281 colaboradores e mais de 2700 mediadores, distribuídos pelas suas marcas comerciais: Ageas Seguros, Ageas Pensões, Médis, Ocidental e Seguro Direto.

Com a missão de ser “o melhor local de trabalho para pessoas empreendedoras e felizes”, o grupo orienta a sua estratégia e visão em quatro pilares: Care (cuidar), Dare (Atreve-te), Deliver (Concretiza) & Share (Partilha). A filosofia dos recursos humanos foca-se, pois, na capacidade de entrega, na paixão e no empenho das equipas.

Em 2019 lançou o Programa Ageas Saudável, que promove uma cultura mais saudável na empresa e tem como objetivo garantir uma melhor qualidade de vida, assentando em quatro eixos: atividade física, saúde, nutrição e bem-estar. Conta ainda com uma Business Academy, que prepara a organização e as pessoas para o futuro aproximando o mundo académico do empresarial, e que inclui o desenvolvimento de projetos de inovação.

O seu CEO, Steven Braekeveldt, foi distinguido em 2018 com o Prémio Líder inspirador, nos Prémios Observatório de Comunicação Interna e Identidade Corporativa, e, em 2019, como “CEO Comunicador do Ano”, pela APCE. As distinções são um reconhecimento do empenho de Braekevelt em criar laços de proximidade com todos os colaboradores do grupo, a sua postura de simplicidade e uma atitude que privilegia a comunicação.

pur’ple

A pur’ple é uma consultora focada em encontrar soluções para que pessoas, comunidades, equipas ou organizações alcancem o seu verdadeiro propósito. “Purpose by People” é o motto da empresa, que agrega consultores, ‘construtores de propósito’, ‘evolucionistas de pessoas’ e ‘criadores de impacto’ para um mundo melhor.

O propósito da pur’ple é ajudar os outros a transformarem-se em melhores indivíduos, comunidades e organizações. A sua visão assenta na crença de que altos níveis de performance humana, criatividade e realização apenas surgem através de um grande envolvimento entre as pessoas e um profundo sentido de propósito.

Ser humano, verdadeiro, colocar-se no lugar do outro, ser diferente, curioso e ir mais além são os valores pelos quais a pur’ple se rege, adotando uma abordagem claramente diferenciada e fresca, orientada para o digital e para as novas gerações.

VdA

A VdA é uma sociedade de advogados que conta com mais de 300 advogados, 46 sócios, com especialização em 30 indústrias. A sua cultura e valores assentam sobretudo na ética, inovação, superação de expectativas, trabalho em equipa e incentivos à formação.

Para fazer jus a este último ponto, criou o seu próprio centro de formação, a VdA Academia, com um plano sequencial e estruturado que engloba uma distribuição equilibrada de competências nas áreas jurídicas, de gestão e em soft skills.

O conhecimento e a inovação são dois pilares fundamentais no desenvolvimento estratégico e sustentável da VdA. Conta, por isso, com um Head of Knowledge Integration, que promove a proximidade, partilha e captura de sinergias entre a principais estruturas de geração de know-how da sociedade; um Fórum Inovação, que procura angariar ideias e soluções transformadoras na área da advocacia; um Comité de Doutrina, que contribui para a investigação científica do Direito; e ainda um centro de Investigação e Desenvolvimento interno.

Criado em maio de 2018, o LAB – Legal Analytics Bureau é o primeiro centro de I&D criado por uma sociedade de advogados em Portugal. Tem a missão de gerar conhecimento através do desenvolvimento de investigação aplicada a firmas e serviços profissionais, no âmbito da conceção de modelos, indicadores e processos de suporte ao negócio.

O LAB valeu à VdA uma nomeação pelo Financial Times nos prémios anuais FT Innovative Lawyer Awards 2019.

Empresa que, pelas políticas e práticas que promovem as dimensões de diversidade, inclusão e igualdade de oportunidades dentro da organização, se diferenciou em 2020.

DefinedCrowd

Fundada em 2015 em Seattle pela portuguesa Daniela Braga, a DefinedCrowd, plataforma inteligente de dados para Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning, tem registado um crescimento exponencial nos últimos anos.

Recentemente reconhecida como uma das Best Startup Employers pela Forbes, foi ainda nomeada pela mesma publicação como uma das 50 empresas de IA mais promissoras. Em 2020, captou uma ronda de investimento de série B no valor de 46,2 milhões de euros, a maior ronda levantada nos EUA por uma empresa da área da IA e fundada por uma mulher.

Horário de trabalho flexível, um ambiente de aprendizagem contínua, ajudar a desenvolver uma indústria em grande crescimento e fazer parte de equipas diversas e internacionais são alguns dos benefícios que a scaleup destaca para atrair talento.

Com quatro escritórios espalhados por três continentes – Lisboa, Porto, Seattle e Tóquio – a diversidade é um ponto fulcral da cultura da empresa, amplamente difundido pela própria fundadora, que defende ativamente políticas de diversidade de género dentro e fora da empresa.

A DefinedCrowd, que terá 42% dos funcionários mulheres, é uma das entidades parceiras do projeto “Engenheiras por um dia”, lançado pela Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, e que pretende promover junto das estudantes de ensino superior a opção pelas engenharias e tecnologias.

Microsoft

A Microsoft, gigante norte-americana fundada por Bill Gates, inaugurou a sua subsidiária portuguesa em 1990. Emprega hoje mais de 166 mil pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 1.100 em Portugal.

Sob a máxima “Realize your potencial”, a multinacional assume o compromisso de dar a oportunidade a pessoas e empresas em todo o mundo de concretizarem o seu potencial. A inovação, a diversidade e inclusão, a responsabilidade social corporativa, a Inteligência Artificial e a computação fidedigna são alguns dos pilares da cultura da Microsoft.

Para mostrar o seu compromisso na criação de um ambiente diverso e inclusivo, a Microsoft apresenta desde 2014 um relatório com o progresso interno nestas matérias e conta com vários Employee Resource Groups, que apoiam diferentes minorias dentro e fora da empresa, nomeadamente mulheres na área da tecnologia, a comunidade LGBT ou pessoas com deficiência.

Em 2019, a Microsoft Portugal apoiou institucionalmente e pela primeira vez a Pride Parade, levando uma comitiva de 60 colaboradores e familiares. Em 1989, a tecnológica introduziu a orientação sexual às políticas de não-discriminação da empresa e ao longo de mais de uma década, obteve um resultado de 100 no HRC Corporate Equality Index.

L’Óreal

O grupo líder mundial de beleza iniciou a sua operação em Portugal em 1962, estando presente em 150 países. Emprega por cá 450 pessoas e 86 mil em todo o mundo. Orientada pela ciência e inovação e com a ambição de se transformar numa beauty tech company, o grupo tem 21 centros de investigação, 14 centros de avaliação e comercializa 30 marcas de cosmética.

Com uma grande aposta nos jovens talentos e na diversidade, foi uma das primeiras empresas em Portugal a assinar a Carta Portuguesa para a Diversidade. Da sua estratégia fazem parte compromissos como ter mais mulheres em cargos de topo – em 2015 atingiu a paridade nos cargos executivos -, constituir equipas multiculturais e diversas ao nível social e económico e apostar na contratação de pessoas com deficiência.

O grupo implementa várias iniciativas no âmbito do seu compromisso com a diversidade nos diferentes países onde opera. Em Portugal, destaca-se a parceria com a Fundação Girl Move, dando oportunidade a jovens mulheres de Moçambique de frequentar estágios para desenvolver capacidades de liderança, negócio e empreendedorismo.

Em 2018, a L’Oréal introduziu ainda uma plataforma de inteligência artificial bias-free para ajudar no processo de recrutamento, focando-se em perguntas factuais e objetivas para determinar se os perfis encaixam nos requisitos das posições.

Empresa que, pela sua política interna, atribui extraordinária importância a políticas como o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, o direito a desligar e outras práticas relacionadas com o bem-estar dos trabalhadores.

Brisa

Criado em 1972, o Grupo Brisa assume-se como um “parceiro para o desenvolvimento de Portugal”. Atualmente, assegura a operação de cerca de 1628 km no País, numa rede composta por 17 Autoestradas, 6 Itinerários Complementares e 6 Estradas Nacionais.

Ao longo destes quase 50 anos construiu uma cultura vocacionada para a promoção da mobilidade e da acessibilidade, assente nos valores da ética, excelência, inovação e pessoas.

Neste último ponto, um dos focos recai sobre os seus colaboradores, promovendo não só o acesso à formação e desenvolvimento de carreira, como o equilíbrio entre a vida pessoal-profissional. O grupo acredita que só apostando nesta estabilidade consegue ter colaboradores e equipas mais felizes, motivadas e capazes de produzir mais valor para empresas, famílias e sociedade.

Assim, criou uma série de medidas que permitem aos colaboradores atender às necessidades da sua vida pessoal e familiar, como por exemplo a flexibilidade de horários, recursos para trabalhar remotamente, troca de turnos entre colaboradores, folgas variáveis, férias parcelares, apoio escolar aos filhos dos colaboradores e assistência ao agregado familiar em situações não cobertas pela Segurança Social

A adoção destas medidas valeram à Brisa o prémio “Empresa Mais Familiarmente Responsável” (Deloitte/AESE).

Bosch

Com cerca de 400 mil colaboradores em todo o mundo e mais de 6.300 em Portugal, a Bosch é um dos maiores empregadores industriais no País. Tem sede e uma subsidiária em Lisboa, mas opera em mais três unidades – Aveiro, Ovar e Braga – nesta última, com um centro de desenvolvimento de soluções para a mobilidade conectada e autónoma.

A cultura organizacional da empresa alemã baseia-se em valores como o respeito mútuo, a equidade, a transparência, a confiança, a responsabilidade e o foco no futuro e nos resultados. Faz ainda parte da estratégia da Bosch encorajar os colaboradores a atingir um equilíbrio saudável entre os objetivos profissionais e pessoais, aposta esta que é vista como um “meio decisivo para a promoção da criatividade e satisfação na empresa”.

A Bosch disponibiliza diferentes benefícios como horário de trabalho flexível, serviços como levantamento de medicamentos no local de trabalho, promove atividades desportivas e de bem-estar e orienta o ambiente de trabalho para explorar a criatividade.

Pipedrive

Fundada na Estónia em 2010, a Pipedrive é uma plataforma de CRM criada para vendedores, por vendedores. Contam com 10 escritórios em 8 países, incluindo Portugal, onde se estabeleceram em 2017 e empregam hoje cerca de 130 pessoas de diferentes backgrounds.

O espaço de trabalho descontraído e produtivo, com sofás, puffs e um dress code informal, zonas colaborativas e locais de lazer, é uma das dimensões em que a jovem empresa se destaca.

Além disso, o equilíbrio entre vida profissional e pessoal não é visto como um benefício para os colaboradores, mas antes parte intrínseca da cultura e ADN da empresa. Algumas das suas práticas incluem: atribuir dias de férias adicionais consoante a antiguidade; dar dispensas durante a manhã aos colaboradores com filhos para que possam acompanhá-los no início do ano escolar; dar formação em áreas como mindfulness, burnout e gestão de stresse; compensar financeiramente aquando do nascimento de um filho ou casamento.

A Pipedrive disponibiliza ainda um serviço de personal coaching, com o objetivo de ajudar os seus colaboradores no âmbito do desenvolvimento pessoal, de carreira e saúde mental, e que é extensível a familiares em situações de crise.

Em 2020, arrecadou o 3º lugar nos prémios “Melhor Empresa para Trabalhar em Portugal”, pela Great Place do Work, na dimensão entre 100 e 550 colaboradores.

Pessoas que, pelas suas boas práticas de liderança, merecem ver premiado o seu envolvimento enquanto líderes dentro da organização e o reconhecimento dessas características agregadoras pelos seus pares.

Alexandre Fonseca

Alexandre Fonseca é licenciado em ciência dos computadores na Faculdade de Ciência da Universidade de Lisboa, tem ainda um mestrado em vendas e gestão de marketing no Instituto TeamView. Somou ao currículo uma passagem pela IBM e esteve entre os fundadores da Cabovisão. Acabou por assumir a liderança da Oni em Portugal e Moçambique em 2013 e transitou para o universo da Altice em maio de 2015, quando assumiu a pasta da tecnologia na antiga PT Portugal. Em novembro de 2017, foi promovido a presidente executivo da Altice Portugal.

Enquanto líder da Altice Portugal, revê-se num estilo de proximidade às equipas e colaboradores, empático, com profundo conhecimento do negócio, comunicativo e que faz questão de dar o exemplo. Acredita que um líder deve ser apenas mais um dentro da organização, mas que traça o caminho que todos reconhecem e apoiam. Defende uma liderança humanizada e dá importância às opiniões das novas gerações dentro da empresa para conseguir acompanhar a transformação do mercado e construir o futuro da Altice Portugal.

José Teixeira

José Teixeira é o presidente do conselho de administração do dstgroup, líder em Portugal na área da engenharia e construção, e que se reinventou com a liderança humana do seu CEO.

Engenheiro de formação, José Teixeira é fascinado por cultura, arte, literatura e filosofia. Recentemente, a dst criou um curso de filosofia com a Universidade Católica de Braga para os seus colaboradores mais antigos. O objetivo é “ensinar a fazer perguntas”. Nas suas palavras, uma empresa que desenvolva o “sentido crítico”, o “questionamento e as inquietações dos grandes filósofos”, produzirá “com outra qualidade” e “contribuirá para tornar o planeta um mundo mais humano”, pacífico e feliz.

O complexo da dst em Braga é uma autêntica galeria a céu aberto, com esculturas, murais, contentores, instalações artísticas e quadros. José Teixeira instituiu, desde sempre, no grupo uma preocupação muito forte com a cultura. Em março de 2020, no início da pandemia, deixou uma mensagem em carta aberta onde escrevia que “um país sem cultura não sobrevive”, informando que o grupo decidiu assegurar o salário dos 14 trabalhadores da Companhia de Teatro de Braga durante três meses e apelando a que outras empresas também apoiassem a cultura.

Além da cultura, também a literatura é obrigatória dentro da empresa. A leitura é um dever dos colaboradores durante o horário de trabalho e que o próprio CEO incentiva com a partilha semanal de reflexões e debates sobre livros. O objetivo? “Ter trabalhadores o mais cultos e cosmopolitas possível”.

Isabel Furtado

Isabel Furtado é a CEO da TMG Automotive desde 2008, tendo transformado a empresa na segunda maior no setor de interiores de automóveis a nível europeu. A fórmula de sucesso, acredita, gira em torno destas dimensões: gerir pessoas e conhecimento, apostar em tecnologia e inovação, ter cultura de fazer bem e ética nos negócios.

Formada em Economia, Isabel Furtado venceu em 2020 o prémio BPI Mulher Empresária, pela sua excelência profissional, visão estratégica, capacidade de inovação e liderança. A distinção reconheceu também o seu compromisso na área da sustentabilidade.

Uma das fortes apostas realizadas pelo grupo TMG sob a sua liderança foi na promoção da diversidade e igualdade de género e de oportunidades, que Isabel Furtado acredita ser uma forma de preparar jovens líderes do futuro para fazerem a diferença no mundo como seres humanos.

Isabel Furtado é também a primeira mulher a presidir à Cotec Portugal, cargo que ocupa desde 2018, e é vice-presidente da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal. Em 2014 recebeu a insígnia da Ordem de Mérito Industrial e em 2019 o Prémio Dona Antónia na categoria Consagração de Carreira.

Empresas que, pela implementação e/ou manutenção de práticas amigas do bem-estar e códigos de conduta, optaram por dar prioridade à colocação do trabalhador no centro da sua ação.

Microsoft

Para garantir uma boa gestão dos seus 1.200 colaboradores em Portugal, a trabalhar remotamente desde março de 2020, a Microsoft garante, através da tecnologia, a continuidade do negócio e um acompanhamento próximo das suas pessoas.

Tem vindo a promover várias iniciativas de apoio no âmbito da saúde mental, do combate ao stresse e do equilíbrio da produtividade. Conta, para isso, com programas globais para os colaboradores, como o Microsoft Cares Employee Assistance, e alguns locais, de que é exemplo o We Care Wellness via Teams, que “dá ferramentas e dicas para tratar do corpo e da mente”.

Para garantir a proximidade e ligação entre as pessoas, o debate e a partilha de ideias, tem organizado coffee breaks e sessões virtuais, alguns liderados pela própria Diretora-Geral.

Vista Alegre

Fundada em 1842, a Vista Alegre carrega um legado que teve início na sua Fábrica de Porcelana, em Ílhavo, que é hoje um conjunto arquitetónico de inegável interesse nacional. A sua história confunde-se com a História e vida cultural portuguesas, e assume uma notoriedade mundial.

A cultura da empresa foi construída com base em valores como o rigor, a sofisticação e a versatilidade, a junção de tradição e modernidade, com uma grande aposta na inovação e no design.

Em 2011, a marca pertencente ao Grupo Visabeira criou um laboratório criativo, o ID Pool Internacional Design Pool, que funciona como residência artística para artistas, designers e estudantes de todo o mundo.

Primavera

A Primavera nasce em 1993 como uma empresa especializada em soluções de software empresarial, a primeira em Portugal a desenvolver aplicações para Windows. Disruptiva desde os primórdios, a multinacional emprega hoje cerca de 300 pessoas e, além de Lisboa e Braga, detém também escritórios em Espanha, Angola, Moçambique e Cabo Verde.

Com o propósito de inovar, simplificar e acelerar processos de negócio, a tecnológica tem uma política de gestão de recursos humanos centrada no reconhecimento do desempenho, no desenvolvimento e gestão de carreiras e na promoção do bem-estar dos colaboradores, com práticas de work-life balance.

Anualmente, a Primavera recebe cerca de dois mil estudantes no âmbito do projeto Primavera Education, um programa de aproximação entre o mundo académico e a realidade empresarial. Com a força de trabalho a rondar em média os 39 anos, um dos desafios futuros da empresa é equilibrar a presença de género em todas as áreas. Hoje as mulheres estão representadas em 34%.

Em 2020, criou um subsídio de fixação de residência que prevê a oferta de 2.400 euros aos trabalhadores e estudantes que aceitem mudar-se para Braga para trabalhar na empresa. A política de atração e retenção de talento da multinacional envolve ainda outros benefícios como dois dias adicionais de férias, dia de aniversário livre e seguro de saúde.

Premeia a política de comunicação de dentro para fora, e o papel da empresa enquanto elemento com responsabilidade e propósito na sociedade.

EY

Com cerca de 280 mil colaboradores e 200 mil clientes espalhados por 150 países, a EY é uma consultora que tem o propósito de “criar um mundo melhor de negócios”. Através de quatro service lines integradas – Assurance, Consulting, Tax e Strategy & Transactions – ajuda os clientes a reestruturar o futuro.

Na sua génese valoriza, acima de tudo, as pessoas, com uma componente humana muito forte, transversal a toda a sua comunicação – interna e externa. Em 2019, alcançou o 3º lugar em Portugal no ranking Great Place to Work, a única big four a entrar na lista. O seu objetivo, contudo, é ser um “Great Place to Work for the Best People”.

A estratégia de recursos humanos da consultora está alinhada com quatro objetivos: recrutar os melhores o mais rápido possível, garantir que os colaboradores se sentem valorizados e reconhecidos, desenvolver o seu próprio talento e criar equipas de elevado desempenho.

Com uma cultura de formação e apoio impulsionada pelo diálogo e conversas, e uma forte aposta na atração de talento, a EY evoluiu recentemente para um modelo de business partners, acreditando que os recursos humanos assume uma função estratégica para o negócio.

Fidelidade

Com dois séculos de existência e a contribuição de mais de 50 seguradoras para a sua história, a Fidelidade é a seguradora líder em Portugal. Está presente em vários países, nomeadamente Angola, Cabo Verde, Moçambique, Espanha, França, Macau, Peru, Bolívia, Paraguai e Chile, e conta com quase seis mil colaboradores.

Com a missão “Para que a vida não pare”, assume-se como uma “marca humana, feita de pessoas que pensam nas pessoas”, apostando numa comunicação interna e externa o mais alinhada possível. Experiência, credibilidade, inovação, competitividade, eficiência, liderança, lealdade, confiança e estabilidade são os grandes princípios pelos quais se rege.

A transparência e a comunicação, saber ouvir e explicar numa perspetiva de liderança inclusiva fazem também parte da estratégia de recursos humanos praticada pela Fidelidade.

Lançou recentemente o Wevolution, um centro de conhecimento e formação para promover o desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores e a aquisição de habilidades técnicas e comportamentais, e conta ainda com vários programas de avaliação de desempenho, formação de jovens talentos e integração de colaboradores mais seniores na empresa.

Nos últimos anos, tem somado vários prémios, nomeadamente o de Superbrand, Escolha do Consumidor e o Marktest Reputation Index.

IKEA

Criada em 1943 por Ingvar Kamprad na Suécia, a IKEA tornou-se uma das marcas de mobiliário e decoração para a casa mais conhecida no mundo. Entrou em Portugal em 2004, com a loja de Alfragide, e conta hoje com cinco lojas e 2.500 colaboradores.

A sua visão é a de criar um melhor dia-a-dia para a maioria das pessoas, sejam clientes, colaboradores ou fornecedores. Na gestão de recursos humanos, realça a crença de que “todas as pessoas têm algo único a oferecer” e identifica-se com quem “vê as coisas de forma um pouco diferente”.

A cultura da marca sueca assenta no entusiasmo, união e numa atitude de fazer o que tem de ser feito, encorajando os colaboradores a experimentarem várias áreas, a mudarem de funções ou até de país, se assim o desejarem.

A diversidade, a inclusão, a abertura e a honestidade são os principais eixos estratégicos da gestão de pessoas na IKEA, valores que são sentidos de dentro para fora. Em dois anos, passou de 46% para 49% de mulheres em cargos de liderança e gestão e aposta numa política de equal pay, sem diferença salarial entre homens e mulheres. Em 2020, estabeleceu o salário mínimo dos trabalhadores acima do mínimo nacional fixado.

A categoria distingue um líder ou uma liderança que, pelo seu percurso longo e exemplar e pelo profundo envolvimento com as organizações e as suas pessoas, é exemplo de liderança e empatia. É o prémio que distingue o líder de pessoas pela sua carreira. Como se trata de uma distinção por nomeação da redação da Pessoas, será anunciado no dia em que forem divulgados os restantes prémios. Não será sujeito a votação do jurado.

É a única categoria dos Pessoas Awards que conta com nomeação e votação dos leitores da revista. O prémio “Influencer” distingue o influenciador que, na sua liderança, consegue inspirar, mobilizar e tocar a todos com as suas práticas de gestão de pessoas e de otimização de talento. É a única categoria cujo prémio é atribuído através de votação do público.

Consulte aqui o Regulamento do Pessoas Awards 2020.

  • Pessoas

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

São estes os finalistas dos Pessoas Awards 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião