Bankia com resultados líquidos inferiores a 2019 devido à pandemia

  • Lusa
  • 28 Janeiro 2021

Apesar da queda dos resultados líquidos, os valores do negócio "puramente bancário" cresceram 3,8%, até aos 1.336 milhões de euros, avançou a instituição bancária ao mercado.

A instituição financeira Bankia obteve um resultado líquido de 230 milhões de euros em 2020, menos 56% do que em 2019, após destinar 505 milhões de euros de provisões extraordinárias para fazer face aos impactos da pandemia de Covid-19.

Os resultados do banco espanhol foram comunicados esta quinta-feira à CNMV de Madrid.

Apesar da queda dos resultados líquidos, os valores do negócio “puramente bancário” cresceram 3,8%, até aos 1.336 milhões de euros, o valor mais alto dos últimos três anos, graças à baixa de 02% em gastos e ao aumento de 12,2% das comissões de negócios com clientes, que alcançaram os 1.213 milhões de euros.

O presidente do Bankia, José Ignacio Goirigolzarri, assinalou que apesar de todas as dificuldades e das taxas de juros que se encontra em terreno negativo, o Bankia “fechou um exercício muito positivo em termos de negócio, com importantes crescimentos em créditos a empresas, hipotecas e fundos de investimento”.

Goirigolzarri destacou também que 2020 “foi o ano em que culminou o projeto Bankia como entidade independente” tendo em conta a próxima fusão com o CaixaBank e acrescentando que alcançou um “balanço muito positivo em relação aos dez anos de trajetória”.

Sobre a solvência, em dezembro, o ratio de capital de máxima qualidade CET1 “fully loaded” – com todos os requerimentos normativos – situou-se em 15,48% em relação aos 13.02% de 2019, 710 pontos mais do que o mínimo exigido.

O crédito líquido concedido aos clientes somou 121.000 milhões de euros, após crescer 03% (interanual), e que os depósitos aumentaram “quase o mesmo” alcançando os 128.460 milhões.

A taxa de morosidade de toda a carteira de créditos situou-se em 4,7%, no fim do exercício.

A entidade bancária concedeu 42.600 milhões de euros em créditos a empresas, 17% mais e as formalizações de hipotecas somaram 3.348 milhões, 14,3% mais.

O crédito ao consumo baixou 53,6% e fixou-se em 1.229 milhões.

No que diz respeito à carteira de créditos, o Bankia concedeu a entidades autónomas e a pequenas e médias empresas cerca de 11.000 milhões de euros (com o aval do ICO – Instituto de Crédito Oficial) tendo formalizado 49 mil moratórias hipotecárias e 61.500 moratórias em empréstimos ao consumo.

Paralelamente, a entidade continuou a participar no programa de avais concebido pelo governo através do ICO, com um desembolso de 10.941 milhões de euros.

A carteira de clientes digitais da entidade representou 60,5 do total, no fecho do exercício, frente a 53,3% de 2019, o que eleva a mais de quatro milhões o número de clientes que se relacionam com o banco digitalmente.

Sobre as vendas digitais, verifica-se um aumento de 46,9% do total, o valor mais elevado pelo banco nesta forma de transação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bankia com resultados líquidos inferiores a 2019 devido à pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião