Rede europeia para carregar elétricos vai custar 105 mil milhões até 2030

Um estudo da EY e da Eurelectric revela ainda que a eletrificação das frotas de veículos na Europa será o principal catalisador para a mobilidade sustentável ao longo da década de 2020

De acordo com um novo estudo realizado pela consultora EY e pela Eurelectric, serão necessários 20 mil milhões de euros para desenvolver a infraestrutura pública de carregamento elétrico na Europa e mais 60 mil milhões para a rede privada. A somar a isso, será também preciso um orçamento extra de 25 mil milhões de euros para permitir que as redes de distribuição de energia apoiem esta implementação da infraestrutura de carregamento na União Europeia (UE). No total, são precisos 105 mil milhões.

A Comissão Europeia estima que, em 2030, serão necessários três milhões de pontos de carregamento público para 40 milhões de veículos elétricos, o que representa um aumento de 13 vezes face aos valores atuais (213.000 instalados até agora). Destes, apenas 14% são carregadores rápidos, conclui o estudo “Accelerating fleet electrification in Europe: When does reinventing the wheel make perfect sense?”.

O documento revela ainda que a eletrificação das frotas de veículos na Europa será o principal catalisador para a mobilidade sustentável ao longo da década de 2020, acelerando a descarbonização dos transportes, melhorando a qualidade do ar nas cidades, impulsionando a implantação de infraestrutura de carregamento e estimulando a criação de um mercado de veículos elétricos usados.

Espera-se mesmo um aumento de 24 vezes na eletrificação das frotas até 2030, refere a EY e a Eurelectric. Para se ter uma ideia da dimensão, estas frotas de veículos na Europa dizem respeito a 63 milhões de carros, carrinhas, autocarros e camiões, operados por empresas privadas ou autoridades públicas. Até 2030, o número total de veículos de frota — tanto elétricos como motores de combustão interna – deverá crescer cerca de 15%, para 73 milhões.

Na Europa, as frotas de veículos percorrem 2,25 vezes mais quilómetros do que os carros privados. “Apesar de representarem apenas 20% do parque automóvel, os veículos de frota são responsáveis ​​por 40% de todos os quilómetros percorridos e 50% das emissões de CO2 do transporte. Isso significa que eles possuem um potencial significativo para apoiar a descarbonização dos transportes”, refere o estudo.

O estudo constata mesmo que a eletrificação das frotas deverá crescer a um ritmo bastante acelerado, totalizando 10,5 milhões de veículos elétricos até 2030, com 42% dos autocarros eletrificados, 17,5% dos automóveis e 12% carrinhas. Atualmente, há apenas 420 mil veículos elétricos nas frotas automóveis europeias.

A eletrificação das frotas será estimulada sobretudo por regras e regulamentos cada vez mais rigorosos, bem como por incentivos fiscais vantajosos. Ao nível local, mais de 300 cidades europeias introduziram já zonas de baixas emissões e zero emissões, pressionando assim as empresas de entregas e de logística a eletrificar as suas frotas.

“Eletrificar o transporte é fundamental para a Europa cumprir as suas rígidas metas de emissões e criar um futuro descarbonizado. Começar pela transição da frota abrirá o caminho e gerará novas oportunidades comerciais, incluindo soluções de carregamento de veículos para a rede e veículos elétricos, entre outros. Para conseguir isso, é necessária uma abordagem centrada na frota, tanto por parte dos governos, como da indústria, com o objetivo de remover obstáculos áreas como a criação de padrões comuns e os investimentos. Conquistar os corações e as mentes dos clientes através de uma variedade maior na escolha de veículos e uma experiência de carregamento perfeita também é essencial. No entanto, nenhum setor pode conduzir a transição sozinho – a colaboração entre todos os participantes do ecossistema eMobility é fundamental para alcançar o sucesso”, afirma Serge Colle, EY Global Power & Utilities Leader.

Mais de um milhão de veículos elétricos vendidos até novembro

De acordo com o estudo da EY e da Eurelectric, até novembro de 2020 foi alcançado um recorde de um milhão de veículos elétricos vendidos — representando um em cada 10 carros de passageiros vendidos, um ponto de viragem decisivo para atingir os volumes de vendas de 30% a 40% de veículos elétricos até 2030, cumprindo as metas de redução de carbono na Europa.

“Estamos mesmo na viragem de uma curva exponencial. Nos próximos anos, experimentaremos uma enorme evolução no setor dos transportes. Este estudo mostra que as frotas de veículos elétricos podem trazer benefícios enormes tanto para os proprietários de frotas como para a sociedade em geral. Alinhar as ambições políticas e as oportunidades comerciais é, por isso, uma obrigação. As políticas direcionadas para impulsionar a procura adicional de veículos elétricos, bem como uma estratégia inteligente para implementação de infraestruturas de carregamento serão essenciais para o sucesso”, disse por seu lado Kristian Ruby, Secretário-Geral da Eurelectric.

Ainda de acordo com o estudo, as emissões dos transportes têm aumentado nos últimos três anos e uma diminuição de 65%, ou 10% de poupança anual, é necessária para atingir a meta de redução de 55% na Europa, em comparação com os níveis de 1990.

O estudo identifica que, para atingir este marco, é essencial acelerar a transição para a eletrificação das frotas. Para tal, é preciso: objetivos políticos alinhados com as oportunidades comerciais no sentido de uma regulamentação coesa; novos modelos de financiamento para infraestruturas de carregamento pública e privada; um novo foco na cadeia de fornecimento ponta a ponta; melhorar a confiança do consumidor com a ampliação da infraestrutura física; e uma interface digital perfeita do veículo à rede.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Rede europeia para carregar elétricos vai custar 105 mil milhões até 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião