Bancos portugueses são os que têm menos mulheres nas administrações

Análise da DBRS mostra que os bancos portugueses aumentaram a presença de mulheres nos conselhos de administração, mas ainda têm um longo caminho a percorrer em termos de diversidade de género.

Os bancos portugueses aumentaram a presença de mulheres nos seus conselhos de administração nos últimos anos, mas continuam a ser aqueles com menos administradoras em comparação com outros países europeus, de acordo com um levantamento feito pela agência Morning Star/DBRS.

Portugal tem uma média de 19% de mulheres nos conselhos de administração das instituições financeiras (dados de 2019), o que representa uma melhoria de nove pontos percentuais em relação ao valor registado cinco anos antes (10%). Mas continua, ainda assim, na cauda da Europa em termos de igualdade de género nos boards dos bancos, com a Europa a apresentar uma média de 32%.

Do outro lado, Noruega e Suécia são os países com maior representação feminina ao nível do conselho de administração, com mais de 40% dos membros da administração a serem mulheres.

Representação das mulheres nas administrações dos bancos.

A análise da agência mostra ainda que apenas seis bancos têm uma mulher com CEO: DNB ASA (Noruega), Svenska Handelsbanken (Suécia), NatWest Group (Reino Unido), Bank of Ireland (Irlanda), Banca Nazionale del Lavoro (Itália) e Bankinter (Espanha). E que apenas três instituições têm uma chairwoman: DNB ASA (Noruega), Banco Santander (Espanha), e Banca Monte dei Paschi (Itália).

“A diversidade de género tornou-se numa questão cada vez mais importante para o setor bancários, sobretudo porque os fatores ESG (environmental social governance) são mais importantes para os investidores na hora de avaliar os bancos”, referem os analistas da Morning Star/DBRS.

Os analistas referem que introdução de quotas poderá ser um caminho para reduzir a desigualdade de género nos bancos, mas não será um fator suficiente por si só.

Dois bancos portugueses situavam-se no antepenúltimo e penúltimo lugares da lista da DBRS: o Novo Banco e o Banco Montepio.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o BCP também surgem na lista, com menos de 30% de mulheres nos seus boards. O banco público prepara-se para mudanças na sua administração e deverá integrar mais mulheres no próximo mandato.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Bancos portugueses são os que têm menos mulheres nas administrações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião