BCP tem menos 600 milhões de euros de crédito em moratória

O CEO do banco diz não estar preocupado com as moratórias que vão expirar em março. No final de dezembro, o BCP tinha cerca de 8,5 mil milhões de euros de crédito em moratória.

O BCP fechou o ano passado com mais de 8,5 mil milhões de euros de crédito “protegido” pelas moratórias bancárias, com o banco a dar conta de numa redução de cerca de 600 milhões no montante de empréstimos que não está a pagar prestações.

Falando na conferência de resultados, Miguel Maya disse não estar preocupado com as moratórias que vão terminar já no próximo mês, designadamente as moratórias de crédito hipotecário que se encontram no regime da Associação Portuguesa de Bancos (APB). “Acompanhamos caso a caso, não tenho nenhuma razão para estar preocupado com as moratórias que vão expirar agora”, declarou o CEO do BCP.

“Preocupa-me os setores que não estão a gerar receitas e os casos dos trabalhadores nestes setores [que estão a ser mais afetados pela pandemia, caso do turismo]. Seria mau do ponto de vista social tirarmos estes apoios”, frisou Miguel Maya.

"Acompanhamos caso a caso, não tenho nenhuma razão para estar preocupado com as moratórias que vão expirar agora.”

Miguel Maya

CEO do BCP

De acordo com a informação disponibilizada pelo BCP, do total de moratórias que o banco tinha no final de dezembro, 4,48 milhões de euros dizem respeito a contratos de crédito empresarial, tendo-se registado uma descida de 306 milhões. Em relação ao crédito a particulares, o total de 4,08 milhões de euros divide-se pelos 3,36 mil milhões da moratória pública e 725 milhões da moratória da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

O banco explica que a redução inclui cancelamentos, liquidações e moratórias que expiraram entretanto.

“Fala-se muito no risco das moratórias e da comparação com os outros países, mas é preciso ver a dimensão dos apoios públicos que foram dados nos outros países. Os apoios do Estado português foram condicionados pelo peso da dívida pública”, lembrou Miguel Maya, dando o exemplo de vários países europeus e os apoios dos Governos à economia. Em Espanha, os apoios públicos corresponderam a 18% do PIB e as moratórias foram de 7,3% do total do crédito (contra os 22,5% em Portugal), exemplificou o gestor.

De acordo com o banco, 93% das moratórias ativas correspondem a crédito performing, isto, é, 93% dos clientes que ainda têm moratórias não apresentam sinais de que vão incumprir.

O BCP registou uma redução de quase 40% dos lucros para 183 milhões de euros, com o resultado a ser penalizado pelas imparidades e provisões constituídas por causa da pandemia e também por causa do caso dos empréstimos hipotecários na Polónia.

(Notícia atualizada às 19h22 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCP tem menos 600 milhões de euros de crédito em moratória

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião