BCP lucra 183 milhões após deixar de lado 840 milhões para a crise e Polónia

Banco liderado por Miguel Maya viu o resultado cair 39% para 183 milhões de euros, em linha com o esperado pelos analistas, depois de ter deixado de lado 840 milhões por causa da pandemia e Polónia.

O BCP registou lucros de 183 milhões de euros em 2020, em linha com o esperado pelos analistas, tratando-se de uma redução de 39,4% face ao ano anterior e que se explica com o impacto provocado pela pandemia. A instituição liderada por Miguel Maya registou provisões e imparidades para crédito, que atingiram um total de 840 milhões, tendo sido também afetada pela questão da Polónia.

Foi ano extremamente complexo, pleno de ambiguidades e incerteza”, referiu o CEO do banco em conferência de imprensa.

Miguel Maya fez questão de sublinhar que, pela primeira vez desde o início da pandemia, toda a administração esteve presente na apresentação dos resultados, mas com as medidas de segurança sanitárias mais apertadas. “Parece a banca da década de 80 com os separadores entre o cliente e o funcionário do banco”, brincou.

Destacando o “reforço expressivo das imparidades e provisões” o banco sublinha em comunicado que o resultado antes de imparidades e provisões aumentou 1,5% para 1.186,2 milhões de euros. “Isto reflete melhor o valor do franchise“, disse o CEO do BCP.

Maya explicou que 300 milhões de euros em imparidades e provisões estão relacionados com pandemia de Covid-19, enquanto outros 151 milhões de euros devem-se aos riscos legais associados aos créditos hipotecários na Polónia, o chamado caso “Frankowicze”. O regulador propôs um acordo ao Bank Millennium que poderá passar uma fatura de 239 milhões ao BCP.

Também a reavaliação dos fundos de reestruturação pesaram nas contas, tendo um impacto de mais de 70 milhões, disse o banco. Os fundos estão contabilizados em 828 milhões, líquidos de imparidades, adiantou Miguel Maya.

Do ponto de vista do negócio, o BCP registou uma quebra de 1% da margem financeira — diferença entre juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos — para 1,533 mil milhões de euros. O produto bancário caiu na mesma medida para 2,3 mil milhões.

Em relação aos custos operacionais, o banco diz ter a situação “controlada” depois da descida de 4% para 1,12 mil milhões de euros.

Olhando para o balanço, o BCP aumentou a carteira de crédito em 3,4% para 54 mil milhões de euros, à boleia das linhas Covid-19 que gozam de garantias públicas (aprovou mais de 2,3 mil milhões nestas linhas), enquanto os depósitos também subiram 3,4% para 64,7 mil milhões de euros. “Foi uma evolução francamente positiva”, disse o gestor.

Sobre a qualidade dos ativos, Maya disse não se lembrar, na última década, de um nível tão baixo do rácio de malparado, com o BCP a registar um rácio de NPL de 3,1%, menos 1 ponto percentual em relação a 2019. São cerca de 1,3 mil milhões de euros em crédito malparado que o BCP detém. “É um balanço completamente diferente com aquele que iniciámos a anterior crise de 2013, que também conseguimos ultrapassar com muito trabalho e com muito sucesso”, destacou Miguel Maya.

O banco terminou 2020 com rácios de capital em linha com os de 2019, com o rácio CET1 nos 12,2%.

(Notícia atualizada às 17h51 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCP lucra 183 milhões após deixar de lado 840 milhões para a crise e Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião