EDP gastou 18 milhões de euros com o encerramento da central de Sines

  • Lusa
  • 25 Fevereiro 2021

A central de Sines aumentou a produção no segundo semestre de 2020 para queimar o carvão remanescente e que, por isso, “Sines representou 3% da produção total da EDP e 2% das receitas da EDP em 2020”.

A EDP revelou que os custos com o encerramento da central a carvão de Sines atingiram os 18 milhões de euros, de acordo com um comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Na nota, em que deu conta dos resultados de 2020, a elétrica indicou que “antes da cessação de operações no final de dezembro de 2020, a central a carvão de Sines aumentou a produção no 2S20 [segundo semestre de 2020] para queimar o carvão remanescente” e que, por isso, “Sines representou 3% da produção total da EDP e 2% das receitas da EDP em 2020”.

a “restante produção de energia a carvão representou 6% da produção em 2020 (vs. 10% em 2019) e 3% das receitas do grupo EDP em 2020 (vs. 6% em 2019)”, lê-se na mesma nota.

Os trabalhos de descomissionamento de Sines tiveram início em 15 de janeiro de 2021, mas o processo pode demorar cinco anos.

Em atividade desde 1985, a central a carvão da EDP, no distrito de Setúbal, contava com 107 trabalhadores diretos, aos quais foi proposto “um conjunto de diferentes opções”, desde, por exemplo, “a passagem a reforma ou pré-reforma ou o acesso a oportunidades de mobilidade dentro do grupo EDP”, adiantou fonte oficial da empresa, em janeiro.

“A EDP iniciou contactos em setembro do ano passado, como planeado após o anúncio do fecho da central, para avaliarem em conjunto as diferentes opções. Esse processo […] tem decorrido com total colaboração e dentro dos prazos previstos”, referiu, adiantando que “em todos os casos, a principal prioridade tem sido a de garantir que os compromissos da empresa com os seus 107 trabalhadores são integralmente cumpridos e no melhor interesse de ambas as partes”.

Em relação ao futuro das infraestruturas, a EDP adiantou que “continua em estudo a possibilidade de desenvolver projetos que possam aproveitar parte das infraestruturas existentes naquela localização”.

“O projeto para produção de hidrogénio verde é uma dessas possibilidades, mas está ainda numa fase de estudo com vários parceiros. O projeto H2Sines, como é público, nasceu neste contexto como uma parceria que integra várias empresas – entre as quais a EDP, a REN, a Galp, a Martifer, a Vestas e a Engie – para avaliar a viabilidade da criação de uma cadeia de valor do hidrogénio verde em Portugal destinado ao consumo nacional e à exportação para o norte da Europa”, acrescentou.

A EDP obteve, no ano passado, lucros atribuíveis aos acionistas de 801 milhões de euros, um crescimento de 56% em termos homólogos, adiantou hoje a empresa em comunicado à CMVM.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EDP gastou 18 milhões de euros com o encerramento da central de Sines

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião