Video-coaching. O conceito que ajuda os líderes a produzirem vídeos empresariais de alto impacto

Mariana Figueira da Silva é pioneira do conceito video-coaching e tem como missão aproximar as pessoas através do uso do vídeo. Humanizar e estabelecer um propósito é fundamental para consegui-lo.

É coach e faz exatamente o mesmo que um profissional do coaching, mas com uma particularidade: a sua área de atuação é o vídeo. Pioneira do conceito video-coaching, Mariana Figueira da Silva é a fundadora da Mondeguitta Produções e da Comogravarvideos.eu, e trabalha, fundamentalmente, com líderes para ajudá-los a produzirem vídeos empresariais de alto impacto, seja para serem divulgados internamente ou externamente.

“Na Mondeguitta, temos como missão desconstruir o lado rígido dos negócios. É fundamental que exista proximidade entre os líderes das empresas com o seu público”, começa por dizer à Pessoas. E essa proximidade não tem de ser física, defende. O que, para Mariana Figueira da Silva, é necessário é fazerem-se “vídeos humanizados”, algo que requer alguma formação e muito treino.

“Acompanhamos os intervenientes para que se sintam realmente tranquilos e para que consigam transmitir a sua essência. E, para isso, precisam, obviamente, de treino em frente às câmaras. A presença de uma câmara ou de um simples microfone de lapela pode causar uma série de bloqueios”, conta. Através de pequenos conselhos e truques, como pode ser a organização do discurso ou o olhar diretamente para a câmara, trata-se, no fundo, de fazer aquilo que já se fazia presencialmente, mas em formato vídeo.

Mariana Figueira da Silva é pioneira do conceito video-coaching

“Surgiu a necessidade de criar um conceito, que é o video-coaching, precisamente para ajudar a que esta comunicação que grandes líderes já faziam presencialmente passasse para o vídeo”, sem perder nenhum elemento, antes pelo contrário. “Se for gravado de forma estruturada, o vídeo tem este efeito bonito. Mas tem ser feito com alma”, afirma.

Produzir vídeos “com alma”, humanizados e, sobretudo, que sejam uma ferramenta capaz de aproximar quem está distante é algo que, em grande parte devido à Covid-19, ganhou uma ainda maior importância. Mariana Figueira da Silva admite que a pandemia foi, de facto, um fator acelerador do negócio, mas confessa que não gosta muito de focar-se no pré, durante ou pós-pandemia. “Temos de nos adaptar às circunstâncias. Quem já estava alerta e consciente seguiu o seu caminho. Esta fase permitiu, sobretudo, que as pessoas que estavam um pouco mais distraídas conseguissem valorizar outras ferramentas”, considera.

Neste momento, a maior necessidade que sente entre os seus clientes é, principalmente, conseguir manter o espírito de proximidade, algo que fazem com recurso ao vídeo. “Temos notado que as empresas querem criar uma sequência de vídeo em que os colaboradores são os próprios protagonistas”, exemplifica, acrescentando que existem várias formas dentro do formato vídeo para conduzir a determinadas ações, desde vídeos personalizados diretamente para o LinkedIn, mensagens importantes para o chat dos colaboradores, sequências para divulgar nas plataformas digitais e por aí fora.

Usar vídeo, sim. Mas que sejam vídeos humanizados e com um propósito

Por outro lado, a video-coach refere que o que tem visto ultimamente é que há um grande exagero no uso do vídeo. “As pessoas estão a esquecer-se dos princípios, que, na minha perspetiva, são muito importantes. Ou seja, não partilhar só por partilhar, não fazer webinars só porque sim, nem depois das 18h, quando as pessoas estão em casa com as suas famílias… Os profissionais estão a usar o vídeo, sim, mas estão a esquecer-se de humanizar”, considera.

"[As pessoas] estão a usar o vídeo, sim, mas estão a esquecer-se de humanizar. (…) Não é saudável, senão saímos daqui com uma overdose de tecnologia.”

Mariana Figueira da Silva

Fundadora da Mondeguitta Produções e da Comogravarvideos.eu

“Isso não é saudável, se não saímos daqui com uma overdose de tecnologia”, continua, salientando que o objetivo do vídeo é, também, poupar e otimizar tempo, algo que sente que não tem acontecido, antes pelo contrário.

Os vídeos mais eficazes têm de ter três ingredientes principais:

  • Em primeiro lugar, foco no objetivo, o que significa que é preciso estruturar muito bem a mensagem que se pretende transmitir, bem como as palavras-chave que vão estimular, do outro lado, determinadas ações.
  • Em segundo lugar, Mariana Figueira da Silva aponta a organização. “Ter o script organizado é fundamental. A forma como organizamos o vídeo tem de ser, também, respeitosa para com os espectadores, que podem não ter toda a disponibilidade para nos ouvir”.
  • Por último, a video-coach aconselha a ter muita atenção às expressões corporais. “Devemos olhar diretamente para a câmara para criar o efeito olhos nos olhos, bem como sentir exatamente as palavras e a mensagem que estamos a transmitir”, diz.

Estes conselhos são úteis, não só para líderes ou intervenientes de vídeos mais preparados e organizados, mas também para todos os profissionais que, há pouco mais de um ano, viram no vídeo uma ferramenta essencial para o seu trabalho, começando desde logo com as várias videochamadas diárias com chefias, colegas e clientes. E para esses casos, Mariana Figueira da Silva acrescenta que é fundamental ligar as câmaras. “Se é para estar neste formato, então vamos todos ligar as câmaras. Não faz sentido estar no escuro. É voltar às bases, que é o contacto pessoal”, refere.

“O impacto dos vídeos é mesmo transformador e permite chegar a pessoas que aparentemente estão mais distantes”, afirma Mariana Figueira da Silva.

“Queremos desmistificar a crença de que o vídeo é só para algumas pessoas”

Enquanto a Mondeguitta Produções está focada em empresas nacionais e internacionais, a Comogravarvideos.eu, marca que surgiu posteriormente, tem como missão democratizar o acesso ao vídeo. “Queremos desmistificar a crença de que o vídeo é só para algumas pessoas”, diz. Com esta marca, Mariana Figueira da Silva consegue chegar a um público muito mais diverso, desde agentes imobiliários, a personal trainers, cabeleireiros ou profissionais autónomos.

“Todos estes profissionais estão a querer usar o vídeo, mas não sabem como nem por onde começar. Sempre tiveram uma visão mais conservadora ou não tinha acesso a este palco que é o vídeo e está à disposição de todos nós”, diz. A Comogravarvideos.eu disponibiliza um curso online que ajuda os profissionais, independentemente da sua área de atividade, a comunicarem de forma eficaz perante a câmara para, por exemplo, conseguirem novos clientes. O lema aqui é “transformar visualizações em clientes”.

Neste momento estão abertas as pré-inscrições para a sexta edição do curso “Como gravar vídeos de forma autónoma & Conquistar novos clientes?”, composto por 17 módulos e que pode ser feito ao ritmo de cada aluno.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Video-coaching. O conceito que ajuda os líderes a produzirem vídeos empresariais de alto impacto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião