“Não vão ser tempos fáceis para a TAP”, diz Paes Mamede. Cortes são “necessidade indiscutível”

Economista é um dos candidatos a administrador não executivo nomeado pelos trabalhadores da TAP. Ao ECO, explica ter ficado "surpreendido" pela escolha e aponta a "responsabilidade" das funções.

Ricardo Paes Mamede poderá vir a representar os trabalhadores da TAP no conselho de administração da empresa. No dia em que oficializa a candidatura, o economista diz ao ECO que ficou “surpreendido” com o convite dos sindicatos e rejeita qualquer peso político. Sobre a situação que a companhia aérea vive, admite que virão tempos difíceis e que, por isso, os cortes de custos são inevitáveis.

O plano de reestruturação era uma inevitabilidade. Estes próximos anos serão muito difíceis para a TAP“, diz Ricardo Paes Mamede em declarações ao ECO, lembrando que, segundo as projeções das entidades internacionais, “não é de esperar uma recuperação de níveis anteriores à pandemia” antes de 2024. “Não vão ser tempos fáceis para a TAP, vão ser muito complicados e em que a redução geral dos custos se tornou uma necessidade indiscutível”.

O corte de custos no âmbito do plano de reestruturação — que ainda espera aprovação da Comissão Europeia, mas que já avançou com algumas medidas — implica uma redução de 1,3 mil milhões de euros na operação (otimização de custos operacionais e ajustes financeiros com frota) e 1,4 mil milhões de euros na massa salarial (não renovação de contratos a prazo, rescisões por mútuo acordo e outras medidas voluntários).

"O plano de reestruturação era uma inevitabilidade. Estes próximos anos serão muito difíceis para a TAP. Segundo as projeções das entidades internacionais, não é de esperar uma recuperação de níveis anteriores à pandemia antes de 2024. Não vão ser tempos fáceis para a TAP, vão ser muito complicados e em que a redução geral dos custos se tornou uma necessidade indiscutível.”

Ricardo Paes Mamede

Economista

Devido à importância de medidas voluntárias como reduções salariais, trabalho a tempo parcial ou reformas antecipadas, Paes Mamede realça a “posição de procurar participar no esforço de recuperação” que está a ser adotada pelos trabalhadores.

São estes que o economista poderá vir a representar enquanto administrador não executivo da TAP. Economista, doutorado, professor associado de economia política no ISCTE e membro do Conselho Económico e Social (desde 2017), Ricardo Paes Mamede foi o primeiro nome indicado para o lugar recentemente anunciado. Tem o apoio do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava).

De acordo com comunicados das duas estruturas sindicais, foi escolhido devido ao currículo académico e à posição pública que tem assumido de defesa das empresas públicas e dos seus trabalhadores. Questionado pelo ECO, Paes Mamede diz ter sido “apanhado de surpresa” e sublinha que vê com bons a criação do cargo.

"É uma inovação que não é totalmente original em Portugal, mas que é pouco comum. E é algo que tem sido discutido a nível europeu para melhorar a democracia na economia. Já há algum tempo que sou favorável e fico muito contente com a proposta. Nunca me ocorreu que viesse a ser escolhido. Mas vejo com muito bons olhos a eleição em si de um administrador não executivo.”

Ricardo Paes Mamede

Economista

“É uma inovação que não é totalmente original em Portugal, mas que é pouco comum. E é algo que tem sido discutido a nível europeu para melhorar a democracia na economia. Já há algum tempo que sou favorável e fico muito contente com a proposta. Nunca me ocorreu que viesse a ser escolhido. Mas vejo com muito bons olhos a eleição em si de um administrador não executivo”, diz.

Já sobre o seu posicionamento político — nunca se vinculou a nenhum partido, mas é assumidamente de centro esquerda — rejeita que tenha importância. “O que é relevante são as posições públicas que tenho tomado que passam por assumir que a TAP é uma empresa que tem um papel estratégico fundamental para a economia portuguesa e que a sua dissolução seria uma péssima notícia a curto, médio ou longo prazo”.

Na semana passada, o ministro das Infraestruturas e da Habitação informou os trabalhadores da companhia aérea que, a partir do próximo mandato dos órgãos sociais, vão poder eleger um dos administradores não executivos. Esta quinta-feira é o último dia para que sejam apresentados candidatos à eleição por parte de um sindicato, comissão de trabalhadores ou grupo individual de funcionários, desde que represente 2% da força de trabalho (ou 165 pessoas).

"É uma responsabilidade dupla de manter os trabalhadores a par do que são os desenvolvimentos da companhia e por outro lado de levar para o seio do conselho de administração aquilo que são as preocupações e convicções dos trabalhadores.”

Ricardo Paes Mamede

Economista

Após a validação das candidaturas, o lote final será fechado na sexta-feira e os cinco dias seguintes serão de “campanha” para que sejam apresentadas propostas. A eleição decorrerá a 3 de junho e o candidato mais votado será indicado pela República Portuguesa como administrador não executivo na assembleia geral de acionistas.

“Tenho a responsabilidade — caso seja eleito — de ter sido eleito pelos trabalhadores. É uma responsabilidade dupla de manter os trabalhadores a par do que são os desenvolvimentos da companhia e por outro lado de levar para o seio do conselho de administração aquilo que são as preocupações e convicções dos trabalhadores”, acrescenta.

O economista não conhece ainda a composição do conselho de administração. O mandato dos órgãos sociais da TAP terminou a 31 de dezembro de 2020, mas a empresa continua sem marcar uma assembleia geral eletiva pois está a aguardar a escolha de um novo CEO (o que só deverá acontecer após ter “luz verde” da Comissão Europeia para avançar com o plano de reestruturação). A data indicativa para a reunião magna é junho.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Não vão ser tempos fáceis para a TAP”, diz Paes Mamede. Cortes são “necessidade indiscutível”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião