Responsável antifraude avisa que vai ser difícil seguir o rasto todo o dinheiro da “bazuca” europeia

  • ECO
  • 17 Junho 2021

Países como a Alemanha ou Polónia recusam-se a assinar um banco de dados de transações comum, o que dificulta a monitorização do dinheiro.

A União Europeia (UE) enfrenta um “grande risco” de abusos no seu fundo de recuperação pós-pandemia de 800 mil milhões porque alguns países se recusam a assinar um banco de dados de transações comum, alerta o responsável antifraude do bloco europeu.

Com a recusa de alguns Estados-membros em se comprometerem com esse banco de dados, pode haver dificuldades em monitorizar os fluxos financeiros, mesmo com os programas anticorrupção de Bruxelas, disse Ville Itala, diretor-geral do Organismo Europeu Antifraude, ao Financial Times. “É uma grande quantia de dinheiro – a prevenção é importante”, disse, acrescentando que a lamenta a decisão que esses países tomaram.

“É um grande risco, isso é certo. Não temos as mesmas possibilidades de seguir fluxos de dinheiro e informações – e encontrar os benefícios fiscais”, explicou. O responsável sublinhou que é preciso uma supervisão rígida por parte da UE e de cada país para o dinheiro não ser perdido para a fraude, como já aconteceu com fundos europeus anteriores.

O banco de dados em causa é o Arachne, usado em mais de 20 países da UE, mas alguns países preferem usar as suas próprias ferramentas, como a Alemanha, Suécia, Polónia, Dinamarca ou Chipre. No entanto, apesar desse facto, os Estados-membros devem criar sistemas nacionais para registar e comunicar os beneficiários finais dos fundos europeus, algo que a UE acredita ser uma forte arma para evitar uso indevido dos mesmos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Responsável antifraude avisa que vai ser difícil seguir o rasto todo o dinheiro da “bazuca” europeia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião