Medway duplica prazo e valor do investimento ferroviário em Famalicão

A antiga CP Carga já tem o aval da Câmara de Famalicão para avançar com a construção do terminal ferroviário de 63 milhões de euros em Lousado, que vai custar o dobro do inicialmente previsto.

Dois anos e meio após anunciar com pompa e circunstância política – ao lado do então ministro das Infraestruturas, Pedro Marques – a construção de um terminal ferroviário de mercadorias para “colocar Vila Nova de Famalicão no mapa portuário nacional”, através da ligação a Leixões e a Sines, a Medway volta ao Minho para apresentar… o projeto do terminal ferroviário de mercadorias.

Falhado o prazo inicial de ter o propalado maior terminal rodoferroviário da Península Ibérica operacional em março de 2020, a antiga CP Carga, que integra o grupo logístico Medlog, prevê agora investir 63 milhões de euros numa “versão melhorada” deste projeto previsto para a freguesia de Lousado, onde está instalada a Continental Mabor. Isto é, quase o dobro dos 35 milhões estimados pelo presidente, Carlos Vasconcelos, naquela manhã chuvosa de janeiro de 2019.

O novo terminal vai ter quatro linhas férreas de 750 metros, uma área de 220 mil metros quadrados e capacidade para 11.000 TEU (cada TEU equivale a cerca de 6,1 metros, o comprimento de um contentor-padrão de mercadorias). Inclui também ligação para contentores refrigerados, área reservada para mercadoria perigosa, espaços para armazenagem e serviços logísticos, parque seguro para camiões, oficinas e vigilância 24 horas.

“Com ligação ferroviária direta, através da Linha do Minho, bem como com as acessibilidades rodoviárias através de diversas vias principais, este terminal irá potenciar a indústria exportadora local, facilitando a logística das suas mercadorias, contribuindo, desse modo, para a economia e o emprego da região”, perspetiva a Câmara de Famalicão, liderada ainda por Paulo Cunha (PSD), no convite para a sessão de apresentação do novo projeto, agendada para terça-feira na Casa do Território, no parque da Devesa.

Em maio deste ano, quando anunciou que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) tinha concedido a autorização para este projeto, a empresa de transportes e logística Medway ainda dizia ter a expectativa de poder arrancar com as obras neste concelho industrial do distrito de Braga no início do terceiro trimestre, tendo em vista a conclusão em 2022 do terminal ferroviário com que prometeu “trazer o mar até Famalicão”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Medway duplica prazo e valor do investimento ferroviário em Famalicão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião