Montepio dissolve filial “offshore” em Cabo Verde

O Montepio decidiu dissolver e liquidar a filial que tem em Cabo Verde, a qual era considerada uma "offshore" por ser apenas para clientes não residentes.

Perante a aprovação de uma nova lei que obrigaria todos os bancos a trabalharem também para clientes residentes em Cabo Verde, o Montepio anunciou esta segunda-feira que decidiu fechar a sua filial offshore, que se dedicava apenas a clientes não residentes, no arquipélago. Esta filial deu um prejuízo de 620 mil euros no ano passado.

“Considerando o novo enquadramento legal e a ponderação de todas as opções estratégicas relevantes, o Conselho de Administração do Banco Montepio concluiu pela não promoção das alterações necessárias à adaptação da sua filial como um banco de autorização genérica e, por conseguinte, deliberou aprovar as iniciativas processuais previstas na Lei tendentes à sua dissolução voluntária e liquidação“, anuncia o banco em comunicado enviado esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em 2020, o Governo de Cabo Verde decidiu revogar o regime legal que se aplicava a bancos offshore como o do Montepio que lhes permitia ter serviços apenas para clientes não residentes e estabeleceu um regime transitório para que estes bancos se adaptassem à nova realidade, ou seja, para passarem a oferecer serviços também aos clientes residentes.

Apesar de não estar interessado nessa transformação, o Banco Montepio garante que “tem em curso a promoção de formas alternativas de cooperação com as Instituições apropriadas da República de Cabo Verde, com vista a manter e reforçar a sua contribuição para o desenvolvimento sustentado do país”.

O banco é o único acionista do Banco Montepio Geral – Cabo Verde, cuja conclusão do processo de dissolução está prevista para o dia 30 de novembro. No final de 2020, o banco tinha um total de ativos de 116,52 milhões de euros, menos 20,7% face a 2019. O banco registou prejuízos entre 2016 e 2020, exceto em 2019 em que conseguiu um lucro de 146 mil euros. Em 2015 tinha lucrado 1,2 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Montepio dissolve filial “offshore” em Cabo Verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião