COP26 arranca hoje em Glasgow. Chegar a 2050 com carbono zero custa 70 biliões de dólares

A Presidência da COP26, lançou jáem Glasgow a Financial Alliance for Net Zero que representa mais de 70 biliões dólares de ativos direcionados às emissões líquidas zero até 2050.

De acordo com as estimativas da OCDE, foram mobilizados 78,9 mil milhões de dólares em financiamentos para o clima em 2018. Ao mesmo tempo, bancos de desenvolvimento multilaterais estimaram que 41,5 mil milhões de dólares foram disponibilizados para os países em desenvolvimento em 2019.

Agora, a Glasgow Financial Alliance for Net Zero representa mais de 70 biliões dólares de ativos direcionados às emissões líquidas zero até 2050. Mais de 2.000 organizações em todo o mundo apoiam as Divulgações Financeiras Relacionadas às Mudanças Climáticas (TCFD). E 17 bancos centrais comprometeram-se a submeter seus sistemas financeiros a testes de stresse contra os riscos climáticos.

“O apoio financeiro é essencial para acelerar a transição para as emissões líquidas zero e alcançar todos os objetivos do Acordo de Paris. No último ano, os setores público e privado trabalharam intensamente para instituir as bases para garantir que todas as decisões financeiras levem a mudança climática em consideração. Até a COP26 devemos desenvolver essa base por meio de compromissos com as emissões líquidas zero por parte das maiores instituições financeiras privadas do mundo e com novos mercados que ajudam a atender as necessidades do mundo em desenvolvimento”, disse o consultor de Finanças do primeiro-ministro britânico, Mark Carney, para a COP26.

Foi precisamente para estimular o setor financeiro a fazer mais, que a Presidência da COP26, os Campeões de Alto Nível do Clima na ONU e Mark Carney lançaram a Glasgow Financial Alliance for Net Zero (GFANZ).

A Aliança já reúne mais de 160 empresas que, em conjunto, são responsáveis por ativos superiores a 70 biliões de dólares das principais iniciativas para as emissões líquidas zero em todo o sistema financeiro, a fim de acelerar a transição para emissões líquidas zero para, no máximo, até o ano de 2050. Essas iniciativas devem ser reconhecidas pela Race to Zero, o que significa utilizar diretrizes baseadas na ciência para alcançar as emissões líquidas zero e definir metas intermediárias até 2030.

A Aliança inclui 43 bancos que representam 28,5 biliões de dólares através da Net Zero Banking Alliance, 87 gestores de ativos que representam 37 biliões através da Net Zero Asset Managers Initiative e ainda 37 proprietários de ativos que representam 5,7 biliões de dólares através da Net Zero Asset Owner Alliance.

A Aliança impulsionará e reforçará a ambição do setor financeiro para a COP26. De acordo com Carney, para cumprir o Acordo de Paris, toda a economia global precisa mudar. Empresas, bancos, seguradoras e investidores devem adequar seus modelos de negócio e desenvolver planos confiáveis de transição para uma economia de emissões líquidas zero e implementá-los.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

COP26 arranca hoje em Glasgow. Chegar a 2050 com carbono zero custa 70 biliões de dólares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião