Covid-19 infetou quase 137 mil portugueses numa semana

Em sete dias foram registados pela DGS 136.883 casos de covid-19, mais do dobro do que na semana anterior. Casos ativos abrangem 1,9% da população.

A rápida disseminação da covid-19, provocada pela variante Ómicron, levou a um aumento exponencial de novos casos na última semana de 2021. Entre o dia 26 e a véspera da passagem de ano foram contabilizados 136.883 novos casos pela Direcção-Geral de Saúde (DGS), o equivalente a 1,32% da população portuguesa.

O número de novos infetados nestes sete dias são mais do dobro dos registados na semana anterior, quando foram contabilizados 55.217 novos casos. E batem por larga margem o anterior máximo, registado na última semana de janeiro, quando os relatórios da DGS somaram 84.326 casos.

O país bateu recordes sucessivos nos últimos dias, com 30.829 casos reportados na sexta-feira, 28.659 na quinta, 26.867 na quarta e 17.172 na terça. O número conhecido hoje, de 23.290 novas infeções, foi o quarto mais elevado desde o início da pandemia.

Os últimos dados da DGS indicam ainda que Portugal tem agora 196.223 casos ativos, mais 17.511 do que no boletim da véspera, o que equivale a 1,9% da população. Há ainda 173.314 contactos sob vigilância das autoridades de saúde.

A rápida escalada dos casos de infeção espelhada nos dados deve-se, têm explicado os especialistas, à nova variante do coronavírus, a Ómicron, que, por outro lado, tende a causar sintomas menos graves. O Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA) estimava, na sexta-feira, que a Ómicron já representa 83% das infeções.

Nos últimos dias têm também sido batidos recordes de testagem. O máximo foi atingido na sexta-feira, com a realização de 402.756 testes à covid-19 em todo o país, também segundo o INSA.

Muito menos óbitos do que em janeiro

O número de óbitos é muito inferior ao que se registava em janeiro. Entre 26 e 31 de dezembro faleceram 125 pacientes com o novo coronavírus, o que compara com 2.013 na última semana de janeiro. Se no início do ano o processo de vacinação estava ainda a arrancar, agora perto de 90% estão vacinados.

O Presidente da República salientou na sexta-feira que o aumento de infeções “não é acompanhado pelo número de internados, que é um terço de há um ano, e o de cuidados intensivos é um quarto”. Marcelo Rebelo de Sousa considera, por isso, que “já passámos à endemia”.

Portugal vive neste momento um “período de contenção“, estando algumas atividades encerradas por decisão legal ou administrativa (como bares e discotecas) e sendo o teletrabalho de adoção obrigatória.

O boletim divulgado na sexta-feira atualizou a matriz de risco: o risco de transmissibilidade nacional subiu de 1,29 para 1,35 e a incidência nacional subiu de 923,4 para 1182,7 casos de infeção por 100.000 habitantes.

Desde o início da pandemia já foram confirmados 1.412.936 casos de infeção com o novo coronavírus. 18.976 pessoas faleceram e 1.197.737 recuperaram da doença.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Covid-19 infetou quase 137 mil portugueses numa semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião