Usar aquecedor a óleo pode custar mais de 220 euros na conta da luz até ao fim do inverno

  • Capital Verde
  • 10 Janeiro 2022

Usados todo o inverno, 4 horas por dia, os aquecedores a óleo resultam numa fatura de 222,96 euros, de acordo com a Selectra. Mas há opções mais baratas para aquecer a casa. Descubra quais.

Precisamente há um ano, por estes dias, os portugueses batiam o dente de frio, com temperaturas anormalmente baixas que obrigaram a uma corrida às grandes superfícies que quase fez triplicar a procura por aquecedores, que esgotou a lenha para lareiras e levou mesmo a breves ruturas de stocks de botijas de gás em algumas gasolineiras.

Para piorar a situação, a população estava mais uma vez confinada em casa em teletrabalhado e telescola por causa do coronavírus, o que levou a um aumento dos consumos de energia das famílias e obrigou o Governo a criar uma ferramenta especial para ajudar a pagar a conta da luz de janeiro de 2021.

Até ver, janeiro de 2022 está com temperaturas muito mais amenas, mas ainda assim este é o mês do ano por excelência em que os aquecedores mais trabalham lá em casa e em que as contas da luz surgem mais gordas ao fim do mês.

E precisamente porque nem sempre pensamos duas vezes antes de ligar o aquecedor e no impacto que isso vai ter na fatura, a empresa de comparação de tarifas de energia Selectra fez uma estimativa dos gastos que os consumidores têm ao longo de um mês com o uso de aquecedores.

De acordo com a análise, os aquecedores a óleo são os menos económicos e a alternativa mais rentável passa pelo uso de emissores elétricos.

Os cálculos dos gastos foram feitos com base no uso diário do aquecimento durante quatro horas e consideraram uma habitação com uma potência contratada de 6,9 kVA (família de quatro pessoas), bem como os watts (W) médios dos aquecedores a óleo, convector, infravermelho, ar condicionado e emissor térmico.

Dentro da tarifa bi-horária, os valores ao final do mês de um aquecedor a óleo, que tem uma potência média de 2000W, ficam a 44,59 euros nas horas de ponta e a 22,32 euros nas horas de vazio. No caso da tarifa simples esta opção sairia a 35,76 euros por mês, sendo a mais cara de todas, quer na tarifa bi-horária, quer na simples.

Já o convector e o infravermelho, com potências de 1.500W e 1.200W respetivamente, dão praticamente os mesmos gastos ao final do mês, mas ainda assim é o convector que dá mais despesa, com gastos de 33,44 euros por mês nas horas de ponta e 16,74 euros nas horas de vazio e, no caso da tarifa simples, 26,82 euros. Já o infravermelho gasta 26,76 euros nas horas de ponta e 13,39 euros nas horas de vazio, ficando por 21,46 euros na tarifa simples.

Por fim, o ar condicionado e o emissor térmico são as duas opções que saem mais em conta na fatura da luz. Com uma potência de 1.100W, o uso do ar condicionado tem um custo de 24,53 euros nas horas de ponta e de 12,28 euros nas horas de vazio. Já se for pela tarifa simples gasta 19,67 euros por mês.

Ainda assim, é o emissor térmico que consegue ser mais acessível para os consumidores, uma vez que é o que tem a potência mais baixa, nomeadamente 1.000W, e, consequentemente, tem uns gastos menores do que as restantes opções – 22,30 euros nas horas de ponta, 11,16 euros nas horas de vazio e 17,88 euros na tarifa simples.

E quanto gastará ao longo de todo o inverno?

A mesma tendência é observada se contabilizar o total de gastos com os mesmos aquecedores entre novembro e março (cinco meses), quatro horas por dia. Também aqui o aquecedor a óleo continua a ser o mais dispendioso de todos.

Para ter uma noção, neste caso, com o aquecedor a óleo gastaria 222,96 euros nas horas de ponta, 111,60 euros nas horas de vazio e 178,80 euros na tarifa simples. Já o emissor térmico ficaria a praticamente metade do preço em todas as opções – 111,48 euros nas horas de ponta, 55,80 euros nas horas de vazio e 89,40 euros na tarifa simples.

Os números mostram, por isso, que, apesar de haver uma maior despesa na fatura da luz durante o inverno, pode optar por aparelhos que gastam menos ou até decidir ligá-los apenas nas horas de vazio (no caso de ter uma tarifa bi-horária), já que esta é a opção que sai barata comparativamente às outras possibilidades.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Usar aquecedor a óleo pode custar mais de 220 euros na conta da luz até ao fim do inverno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião