PSI-20 afunda 2,75%, a maior queda desde junho de 2020

A praça lisboeta afundou 2,75% na sessão desta segunda-feira, registando a maior queda desde junho de 2020. As bolsas europeias também registaram fortes perdas nesta sessão.

O PSI-20 caiu 2,75% para os 5.429,4 pontos na sessão desta segunda-feira, registando a maior queda desde 11 de junho (-2,83%), ou seja, há mais de um ano e meio. A principal praça nacional está assim em mínimos de 20 de dezembro, após duas fortes quedas consecutivas dado que já na sexta-feira tinha caído mais de 1%.

As bolsas europeias também registaram fortes perdas, influenciadas pela tensão na Ucrânia, a evolução da inflação e da política monetária, assim como a situação pandémica. O Stoxx 600, o índice que agrega as 600 principais cotadas europeias, desceu 3,6% nesta sessão, registando também a maior queda desde 11 de junho de 2020.

A queda das ações foi transversal a todas as principais praças europeias. O francês CAC 40 caiu 3,7%, o espanhol IBEX desvalorizou 2,9%, o britânico FTSE encolheu 2,5% e o alemão DAX afundou 3,6%.

Em Lisboa, todas as cotadas ficaram pintadas de vermelho esta segunda-feira. A maior queda foi protagonizada pelo BCP (que é uma das cotadas do Stoxx 600), cujas ações desvalorizaram 6,6% para os 14,71 cêntimos. O banco negoceia agora em mínimo do início do ano, como mostra o gráfico.

De notar que esta segunda-feira na fase final o julgamento dos recursos das coimas de 225 milhões de euros aplicadas pelo regulador ao cartel formado por 12 bancos por alegadamente combinarem spreads no crédito à habitação. E ainda que recentemente, o Credit Suisse sinalizou ter reservas quanto à evolução das ações do BCP.

Seguem-se os CTT com uma queda de 4,65% para os quatro euros, a Altri com uma desvalorização de 4,25% para os 5,41 euros e a EDP Renováveis com um deslize de 3,53% para os 18,57 euros.

Mas houve mais cotadas a cair mais de 3% como é o caso da Greenvolt, a Corticeira Amorim, a Mota Engil e a Ramada. Com quedas superiores a 2% encontra-se a Navigator, a Galp Energia, a Semapa, a Novabase, a Pharol e a EDP.

As duas empresas que registaram quedas menos expressivas foram a Nos, com uma desvalorização de 0,34% para os 3,5 euros, e a Ren, com um deslize de 0,79% para os 2,51 euros.

Em Wall Street, os principais índices norte-americanos também registam fortes perdas com o Dow Jones a cair mais de 2%, assim como o S&P 500, e o tecnológico Nasdaq a afundar mais de 3%. Esta semana será marcada pela época de resultados de várias empresas, incluindo tecnológicas, e pela reunião da Reserva Federal norte-americana, na qual pode ser anunciada o timing do aumento das taxas de juro. O índice de volatilidade, o VIX, tem vindo a subir nas últimas sessões.

O pessimismo nos mercados europeus está associado ao fraco desempenho dos pares norte-americanos, que sofreram fortes quedas durante a sessão de sexta-feira“, descreviam os analistas da corretora XTB numa nota enviado às redações esta segunda-feira, acrescentando que “a situação Ucrânia-Rússia está a aumentar a incerteza na Europa”.

(Notícia atualizada às 17h09 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PSI-20 afunda 2,75%, a maior queda desde junho de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião