Gás natural recua mais de 9% após acordo para reduzir dependência energética da Rússia

A cotação do gás natural na Europa está cair mais de 9% para 100,79 euros por MWh, após EUA e UE terem chegado a acordo com o objetivo de reduzir a dependência europeia da energia russa.

À semelhança do petróleo, os mercados de gás natural continuam sob alta volatilidade. Depois da subida acentuada dos últimos dois dias, os futuros de referência do gás natural na Europa voltam a aliviar, recuando mais de 9% para 100,79 euros por (MWh). Este desempenho após os Estados Unidos e a União Europeia (UE) terem fechado um acordo que visa reduzir a dependência europeia da energia russa.

Em causa está o acordo que vai permitir aos EUA fornecer mais 15 mil milhões de metros cúbicos de gás natural liquefeito ao bloco europeu ainda este ano, anunciou o Presidente norte-americano esta sexta-feira. O objetivo é reduzir a dependência da UE à energia russa, dado que o país liderado por Vladimir Putin é responsável por cerca de 25% das importações de petróleo russo para a Europa, bem como por cerca de 40% do fornecimento de gás europeu.

“Estamos a dar passos mais concretos na nossa cooperação energética para garantir a segurança do abastecimento e reduzir a dependência dos combustíveis fósseis russos”, sinalizam o presidente dos EUA, Joe Biden, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em comunicado conjunto, citado pela Bloomberg.

Em reação a esta notícia, pelas 9h00 desta sexta-feira, a cotação do gás natural estava a cair 9,69% para 100,79 euros por MWh, depois de nos últimos dois dias ter registado fortes subidas, com o preço a ascender aos 122 euros por MWh, segundo os futuros de referência Dutch TTF Gas para entrega em abril. Este desempenho continua, portanto, ainda longe do recorde de 345 euros atingido a 7 de março. Nos últimos cinco dias, acumulam uma subida superior a 15%.

Na quarta-feira a Comissão Europeia havia sinalizado que as parcerias da União Europeia com países terceiros podem fazer baixar os preços energéticos, mostrando-se disponível para avaliar aquisições comuns europeias de gás antes do próximo inverno, como aconteceu com vacinas contra a Covid.

Esta sexta-feira a cotação de petróleo nos mercados internacionais está também a ser influenciada pelos novos desenvolvimentos, com o barril de brent a aliviar para 118 dólares por barril.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Gás natural recua mais de 9% após acordo para reduzir dependência energética da Rússia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião