REN sobe mais de 2%, mas não tira Lisboa do “vermelho”

Setor energético pressiona PSI, com a praça nacional a abrir ligeiramente abaixo da linha de água. Contudo, a REN escapa às perdas do setor, ao subir mais de 2%, após apresentar resultados.

A bolsa de Lisboa arrancou a sessão ligeiramente abaixo da linha de água, contrariando a tendência da generalidade das praças europeias. Setor energético pressiona PSI, mas a REN escapa às perdas do setor ao subir mais de 2%, após apresentar resultados.

Pela Europa, o Stoxx 600 soma 0,1% a par com o espanhol IBEX 35, enquanto o alemão DAX sobe 0,4%, o francês CAC 40 valoriza 0,2% e o britânico FTSE 100 abriu inalterado. Por cá, Lisboa contraria o sentimento das praças europeias, com o PSI a arrancar a sessão ligeiramente abaixo da linha de água, ao recuar 0,02% para 5.802,02 pontos, com oito cotadas em terreno negativo, três inalteradas e quatro no verde.

A pressionar o índice de referência nacional estão os títulos ligados ao setor energético. A Galp Energia cede 0,13% para 11,35 euros tendo chegado a perder mais de 1% no arranque da sessão, penalizada pela queda das cotações de petróleo nos mercados internacionais. O brent, de referência europeia, está a desvalorizar 0,25% para 118,70 dólares, ao passo que o WTI, que é negociado em Nova Iorque, está a ceder 0,44% para 111,85 dólares.

Entre os “pesos pesados” do PSI nota ainda para as quedas do BCP e da EDP Renováveis. As ações do banco liderado por Miguel Maya recuam 0,89% para 15,51 cêntimos, enquanto os títulos da subsidiária da EDP caem 0,18% para 22,24 euros.

Em contrapartida e a travar perdas maiores do índice de referência nacional está a REN e a Nos. Os títulos da empresa de energia sobem 2,56% para 2,805 euros, após ter comunicado ao mercado que viu os lucros encolherem 11% para 97,2 milhões de euros em 2021.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

REN sobe mais de 2%, mas não tira Lisboa do “vermelho”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião