Presidente executivo do Credit Suisse demite-se

Thomas Gottstein abandona Credit Suisse após descrever resultados financeiros do segundo trimestre como “dececionantes”. Banco vai reduzir custos e justifica resultados com guerra na Ucrânia.

O presidente executivo do banco Credit Suisse, Thomas Gottstein, demitiu-se esta quarta-feira do cargo, sendo substituído por Ulrick Korner a partir de 1 de agosto, avançou o banco em comunicado.

A saída de Thomas Gottstein surge após o banco reportar perdas no valor de 1.866 milhões de francos suíços, ou 1.913 milhões de euros, no primeiro semestre, e prever ainda uma alteração ao seu plano estratégico de modo a refletir uma redução de custos a médio prazo para baixo dos 15.500 milhões de francos suíços (15.881 milhões euros). O banco quer poupar entre os 1.000 a 1.500 milhões de francos suíços, em custos estruturais anuais, até 2024.

Os nossos resultados para o segundo trimestre de 2022 são dececionantes, especialmente no banco de investimento”, admitiu Thomas Gottstein, sendo que o Credit Suisse registou um lucro de 253 milhões de francos no segundo trimestre de 2021. O presidente executivo demissionário justificou estes resultados com a combinação entre a situação geopolítica após a invasão da Ucrânia pela Rússia, o aperto monetário dos principais bancos centrais em resposta à inflação, e a aversão ao risco dos clientes.

Adicionalmente, a instituição atravessa momentos agitados com a saída do antecessor de Gottstein, Tidjane Thiam, que abandonou o Credit Suisse em 2020 após vários altos cargos serem alvo de investigações internas. Também António Horta-Osório, antigo presidente, abandonou a instituição após violar as regras de quarentena impostas pela pandemia de Covid-19, tal como o vice-presidente Severin Schwan, por pressões dos principais acionistas.

Por outro lado, o colapso das empresas de capitais Archegos e Greensill, em 2021, também está a afetar o Credit Suisse, sendo que no mês passado um tribunal suíço multou ainda o banco em mais de 2 milhões de dólares, por não impedir a lavagem de dinheiro associada a uma rede criminosa búlgara, há mais de 15 anos.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Presidente executivo do Credit Suisse demite-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião