Seis em cada dez contratos públicos este ano foram por ajuste direto

Os contratos públicos deste ano, segundo as estatísticas do Portal Base, já atingem os seis mil milhões de euros.

foram celebrados este ano cerca de 105 mil contratos públicos, dos quais 60% foram por ajuste direto, de acordo com as estatísticas disponíveis no Portal Base. Apesar deste tipo de contrato corresponder à maior fatia, quando se olham para os valores, os montantes mais expressivos são dos celebrados nos concursos públicos.

No total, os contratos deste ano já somam seis mil milhões de euros. Deste montante, 2,62 mil milhões correspondem a concursos públicos, enquanto 1,33 mil milhões representam os contratos celebrados no regime geral de ajuste direto.

Confirmando esta tendência, os procedimentos de valor mais elevado celebrados este ano foram por concurso público. É o caso de um contrato das Águas do Algarve com a BeWater no valor de 58 milhões, para a aquisição de serviços de operação e manutenção do sistema multimunicipal de saneamento do Algarve.

Já o Metro do Mondego celebrou um contrato de 43 milhões com a Energia Fundamental – Mobilidade Elétrica, para fornecimento de autocarros elétricos para transporte urbano de passageiros, equipamentos de carregamento e serviços de manutenção.

Quanto ao contrato mais elevado por ajuste direto este ano é do Porto dos Açores com a Tecnovia, Etermar, Teixeira Duarte e Marque, para adjudicação da empreitada de reparação do molhe de proteção, do muro cortina e das infraestruturas do porto comercial de Ponta Delgada, no âmbito dos prejuízos decorrentes do furacão Lorenzo, no valor de 25,9 milhões de euros.

As estatísticas do Portal Base mostram ainda que a grande maioria dos contratos são para bens e serviços, com apenas uma fatia a corresponder a obras. Tal reflete-se num valor base mais elevado para os contratos de bens e serviços, apesar do valor contratual se aproximar do base das obras.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Seis em cada dez contratos públicos este ano foram por ajuste direto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião