Mafalda Barreto diz ser fundamental Portugal continuar a afirmar-se como um destino seguro para o investimento de capitais

A managing partner da Goméz-Acebo & Pombo, Mafalda Barreto, aposta que as áreas com mais movimento em 2021 serão de imobiliário, contencioso e público.

Para Mafalda Barreto, managing partner da Gómez-Acebo & Pombo, em 2021 o setor de imobiliário, contencioso e público terão bastante movimento. A líder da firma acredita ainda que a tecnologia será também um “o polo interessante de atividade”.

Em termos de investimento estrangeiro, Mafalda Barreto afirma Portugal continua a ser um destino muito interessante para investidores estrangeiros. Ainda assim, tendo em conta o panorama deprimido no que respeita a capitais nacionais, considera que é “absolutamente fundamental que Portugal se consiga continuar a afirmar como um destino seguro para o investimento de capitais”.

Que setores, tendo em conta o contexto atual, podem ter mais movimento em 2021?

Com a informação atualmente disponível é expectável que exista um aumento de atividade no setor imobiliário, contencioso (em geral, mas com especial enfoque nas insolvências e restruturações) e na área de público, tanto no que respeita às energias renováveis como aos novos investimentos que serão implementados no âmbito dos programas de emergência. Adicionalmente, a tecnologia, nas suas diversas vertentes (incluindo a saúde) será um polo interessante de atividade.

Mafalda Barreto, managing partner da Gómez-Acebo & PomboPaula Nunes / ECO

Que tipo de operações podem vir a acontecer?

Espera-se um aumento relevante da atividade de M&A, tanto no que respeita a investimento para consolidação como investimento mais oportunista, por fundos estrangeiros. No setor financeiro contamos com um aumento do número de transações de carteiras de ativos non-performing (créditos e imóveis) pelos bancos locais e operações de restruturação dos financiamentos, tanto através de processos bilaterais como com recurso aos mecanismos pré-insolvenciais disponíveis.

Portugal continua a ser apetecível para os investidores?

Por razões muito distintas, que se prendem com fatores como a segurança, o clima ou o custo do investimento, Portugal continua a ser um destino muito interessante para investidores estrangeiros. É no entanto fundamental não colocar em risco o capital reputacional de Portugal, evitando decisões que colocam em causa investimentos em curso e mantendo uma política fiscal constante e coerente.

Tendo em consideração o panorama deprimido no que respeita a capitais nacionais, é absolutamente fundamental que Portugal se consiga continuar a afirmar como um destino seguro para o investimento de capitais, assegurando-se desta forma a dinamização da economia nacional.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mafalda Barreto diz ser fundamental Portugal continuar a afirmar-se como um destino seguro para o investimento de capitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião