“Prudência” é a palavra-chave para o ano de 2021, diz Fernando Antas da Cunha

O managing partner da Antas da Cunha ECIJA aposta que as áreas com mais movimento no próximo ano serão de laboral e contencioso. Setor da indústria vai ser um dos mais procurados pelos investidores.

Para Fernando Antas da Cunha, managing partner da Antas da Cunha ECIJA, em 2021 o setor de laboral e contencioso terão bastante movimento. O líder da firma acredita que esta crise, ao contrário das outras, “vai perdurar menos tempo”.

Em termos de investimento estrangeiro, Antas da Cunha afirma que o setor da indústria vai ser um dos mais procurados, considerando as necessidades que se tornaram visíveis face à crise que vivemos.

Que setores, tendo em conta o contexto atual, podem ter mais movimento em 2021?

Sem dúvida, o contencioso e laboral. Ainda assim, prevemos uma estabilização do volume de trabalho nas restantes áreas, ainda que com alguma adaptação quanto ao tipo de operações e processos que temos vindo a realizar. Ainda assim, é claro que a palavra-chave para o ano de 2021 será, prudência.

Fernando Antas da Cunha, managing partner da Antas da Cunha ECIJAHugo Amaral/ECO

Que tipo de operações podem vir a acontecer?

Acreditamos que esta crise, ao contrário de outras, vai perdurar menos tempo. A nossa perceção, pelas conversas que temos vindo a ter, bem como o tipo de trabalho que temos vindo a executar, leva-nos a crer que poderão vir a registar-se várias restruturações, fusões e aquisições.

Portugal continua a ser apetecível para os investidores?

Tal como referimos, dos clientes internacionais com os quais nos relacionamos, bem como das conversas que temos mantido com os nossos sócios internacionais, não temos dúvidas em afirmar que, pelo menos do ponto de vista dos investidores institucionais, existe disponibilidade e uma estratégia de procura de ativos para investir. Pensamos que o setor da indústria vai ser um dos mais procurados, considerando as necessidades que se tornaram visíveis em face da crise que vivemos. Acresce que, se não se cair no erro de acabar com os incentivos com vista à atração do investimento estrangeiro, poder-se-á manter um fluxo muito relevante de estrangeiros que procuram outros destinos para viverem e, consequentemente, contribuírem ativamente para a economia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Prudência” é a palavra-chave para o ano de 2021, diz Fernando Antas da Cunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião