“Sociedades de advogados deviam ser tributadas como qualquer outra empresa”premium

A nova managing partner da Vieira de Almeida (VdA), Paula Gomes Freire, assume que "a paridade de género em lugares executivos de topo ainda é uma miragem nos escritórios de advogados”.

Em entrevista à Advocatus, a sucessora de João Vieira de Almeida na Vieira de Almeida (VdA), que integra desde 1996, garante que 2020 foi o melhor ano do escritório. Paula Gomes Freire lamenta que a paridade de género em lugares executivos "ainda [seja] uma miragem" e reclama que as sociedades de advogados deviam ser tributadas como qualquer outra sociedade ou ter, pelo menos, o direito de opção.A nova managing partneré sócia executiva do Grupo Financeiro, M&A & Imobiliário e sócia da área de Bancário & Financeiro, onde tem trabalhado em diversas operações ligadas à emissão e colocação de instrumentos de dívida ou envolvendo produtos financeiros estruturados, incluindo titularização de créditos. Nos últimos anos tem estado envolvida no acompanhamento da recapitalização do setor

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos