Cerveja de pão, rosé sem álcool e salsichas de ovo. Conheça o Food Lab do Continente

Sonae lançou corner de produtos que a cadeia dona do Continente considera que serão parte "do futuro" da alimentação. Experiência arranca em dois hipermercados.

O cheiro a churrasco perto da zona de frescos do Continente do Centro Comercial Colombo não passa despercebido, sobretudo à medida que se aproxima a hora do almoço. O encontro, marcado para o meio-dia, vem acompanhado de uma surpresa. A partir de agora, há um novo corner nesta loja — replicada, por enquanto, também na de Matosinhos: chama-se Food Lab.

A ideia é simples: pegar em algumas das principais tendências da alimentação, procurar soluções para os problemas colocados por clientes e, ao mesmo tempo, criar novos produtos. O Food Lab nasceu e, com ele, cinco produtos que estão agora à venda, em exclusivo, nestas duas lojas do Continente: as salsichas de ovo e a cerveja feita com desperdício de pão — um projeto de economia circular como o do Panana — são duas das estrelas da companhia e os únicos de produção própria. A eles juntam-se outros três: o hambúrguer vegetal da Beyond Burger, o refrigerante biológico Lemon’Mate [que venceu a primeira edição do programa de aceleração From-Start-to-Table] e o Dom Rosato Free, vinho rosé sem álcool.

“Há uma preocupação e uma grande tendência para comer melhor, comer saudável. E isso, às vezes, materializa-se em coisas diferentes: para algumas pessoas é não comer carne e encontrar uma proteína alternativa, para outras é, dentro de um alimento conseguir ter superalimentos ou, por exemplo, ter a experiência de beber um vinho mas saber que não tem álcool”, detalha Ana Alves, diretora de Marcas Próprias do Continente.

O projeto do Food Lab é, além de uma novidade, resultado da colaboração estreita entre dois departamentos dentro do grupo: o de inovação e o de Marcas Próprias. “Esta equipa é uma equipa que trabalha em estreita parceria com a de marca própria de desenvolvimento de produto, vai aí buscar as sinergias. Acaba por ser uma equipa mais alargada porque depois tem todo o trabalho de qualidade, investigação e de negociação de preço, mesmo quando, ainda, não é um produto de marca própria passa pelo processo como se fosse”, sublinha a responsável.

A marca Food Lab foi lançada nas lojas do Continente do Centro Comercial Colombo e de Matosinhos.Continente

“São produtos ‘difíceis’ e novos que, muitas vezes, requerem um trabalho científico. Por isso, se em alguns casos produzimos nós, noutros recorremos a outras instituições. Não é um lançamento normal como é o de marca própria e, por isso, têm equipa dedicada. Estes produtos demoram muito tempo. Desde que foi identificada a necessidade, deve ter demorado cerca de um ano. Exige muitas provas, testes, até porque não há ninguém a produzir, passamos nós o caminho das pedras”, detalha Ana Alves, especificamente sobre as salsichas de ovo que demoraram cerca de um ano a serem desenvolvidas por uma equipa que conta, de momento, com 12 pessoas [a equipa de inovação da Sonae MC tem entre mãos, além do Food Lab, outros projetos de inovação na empresa]. Por outro lado, esclarece Nuno Gama, diretor de Inovação do Continente, o projeto “é uma iniciativa de aprendizagem e de diálogo com os clientes“.

A cada quatro a seis meses serão lançados novos produtos e retirados outros, de maneira a garantir “sempre novidades”. Vamos ter alguns produtos que podem ficar três, quatro meses. Outros seis. Vai depender de quão satisfeitos estamos com o feedback que recolhemos”, detalha.

A Bread Beer é uma cerveja produzida com base nos excedentes de pão recolhidos nas lojas Continente, sendo a única cerveja de pão portuguesa. Além de combater o desperdício alimentar por ser um produto de economia circular, é uma cerveja artesanal produzida pela Vadia.Continente

Mas vamos aos números. Todos os anos, o Continente lança, em média, um produto por dia e, por isso, o FoodLab é, mais do que uma garantia de negócio, um exercício de inovação, explica a responsável. “Não tendo eles grande escala, os preços de compra destes artigos são altos. Aqui tentamos levar ao limite a nossa capacidade de colocar no ponto de venda a um preço o mais acessível possível, porque a ideia é mesmo experimentar. Não temos metas nem de vendas nem financeiras porque o objetivo aqui é mais disruptivo, do ponto de vista da nutrição. É sermos de alguma maneira o motor de aceleração do que são as tendências, chegarmos ao consumidor mais cedo e ajustarmos a proposta do que estamos a desenvolver. Temos um peso nas vendas em inovação bastante significativo, este ano ronda os 7%. Mas esses são produtos já massificados; estes são aqueles que hão de alimentar essa máquina.”

A Sonae MC investiu, no ano passado, 71 milhões de euros em inovação. Nuno Gama garante que “o grosso da coluna desse investimento não é este. Aqui o maior investimento é o de atenção, de dedicação humana (…) O objetivo é ir antes e à frente e perceber, com o consumidor, o que é que pode vir a ser a alimentação de amanhã”.

Não temos metas nem de vendas nem financeiras porque o objetivo aqui é mais disruptivo, do ponto de vista da nutrição. É sermos de alguma maneira o motor de aceleração do que são as tendências, chegarmos ao consumidor mais cedo e ajustarmos a proposta do que estamos a desenvolver.

Ana Alves

Diretora de Marcas Próprias do Continente

Um “canto” especial

Por se tratar de produtos que contam ainda com pouco conhecimento no mercado, as equipas de desenvolvimento quiseram dar-lhe destaque especial dentro das lojas. Além de serem “exclusivos” das lojas Continente do Centro Comercial Colombo e da de Matosinhos — pelo menos “por agora”, garantem os responsáveis –, contam com um espaço identificado e, ainda, com um selo redondo colado nas embalagens que diz “Food Lab”, remetendo para o nome do projeto de inovação que integram. “São aquelas inovações que carecem de alguma informação, de algum destaque, e por isso é que vão estar num corner diferente onde, além da comunicação, vamos fazer sessões de experimentação, ter sempre alguém a explicar o conceito. Porque não são produtos fáceis de entender à primeira, precisam deste tratamento, deste carinho. E portanto, embora quiséssemos colocar mais, vamos ter sempre esse respeito pelo tempo, para não termos tudo em simultâneo”, acrescenta Ana Alves.

O hambúrguer sem carne é uma das inovações apresentadas no lançamento do Food Lab.Continente

Por isso, também na construção deste “espaço” de loja, os consumidores terão um papel fundamental. “Visa ajudar os clientes, por um lado, a descobrir e, por outro, a experimentar produtos que nós acreditamos que podem fazer parte do futuro da alimentação, antecipando e materializando esse futuro. Isso permite aos clientes participarem ativamente na construção da própria gama do Continente. Com as suas compras indicam se lhes agrada, é uma lógica aberta”, conclui Nuno Gama.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cerveja de pão, rosé sem álcool e salsichas de ovo. Conheça o Food Lab do Continente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião