É (mais do que) um restaurante. É um projeto de reinserção social

Pensado pela Crescer, este "É um restaurante" quer tirar, por ano, 24 pessoas das ruas, dando-lhes ferramentas para voltarem ao mercado de trabalho. Tudo a partir de um restaurante em Lisboa.

Rissóis de berbigão e salicórnia com sabor a mar. Tiborna de escabeche de pato e uvas tintas com sabor a memórias da casa dos avós. Salada de beterraba com laranja e sésamo com frescura de uma mesa de amigos. Trabalho como prenúncio de uma vida nova. “É um restaurante” onde se servem pratos de conforto e de partilha mas esta ementa inclui muito mais do que alimentos para o estômago. De cada vez que aqui entrar e comer, ajuda a faturar vidas novas.

Francisco é chefe de sala do É um restaurante.D.R.

“A ideia vem de 2016 e surge como uma maneira de integrar as pessoas no mercado de trabalho. Sentimos que as pessoas nos pedem diariamente para integrar o mercado de trabalho e há uma série de barreiras. Queremos ajudá-las a ser mais autónomas e saírem da situação de vulnerabilidade em que se encontrem”, explica Américo Nave, diretor executivo da associação Crescer, que desenvolveu o projeto, em entrevista ao ECO.

Pensada em conjunto com a câmara de Lisboa e, aliando a parceiros tão variados como a Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, o Instituto do Emprego e Formação Profissional, a Adega Mayor, o projeto Crack Kids Lisboa, a agência The Hotel – Room for ideas, a fundação Ageas, a Segurança Social ou o chef Nuno Bergonse, este “É um restaurante” é muito mais do que um sítio de encontro de amigos. É um local onde as vontades se encontram e uma plataforma de transformação de vidas.

Direcionado para pessoas que vivem na rua ou que consomem ou consumiram substâncias psicoativas, a ideia é que durante um ano, os participantes do programa se preparem para reintegrar o mercado de trabalho. Este processo começa com um curso de formação de um mês na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Seguem-se duas semanas de formação a Crescer, onde os participantes desenvolvem skills de relações interpessoais. Depois, seis meses on job no ‘É um restaurante’ e, finalmente, mais seis meses num estágio profissionais. “Depois integram o mercado de trabalho”, simplifica Américo.

"Não é um trabalho de apagar fogos, é uma inclusão na sociedade total, direta. ”

Nuno Bergonse

Chef consultor do É um restaurante

“O grande desafio inicial foi o sentido de grupo: sentirem que são uma equipa, que precisam todos de se ajudar mutuamente e de contar uns com os outros. Era uma coisa que não existia. Trabalhar estas características no início foi bastante complicado, mas com o tempo eles próprios foram-se entendendo enquanto equipa. O segundo grande desafio foi o facto de todos eles terem muitas dúvidas quanto às suas capacidades, por todas as razões. Foi sendo muito presente, e que ainda hoje é”, conta Alexandra Evaristo, psicóloga da Crescer e que acompanha de perto todas as pessoas que participam na iniciativa.

E se o caminho dos últimos meses foi exigente, com a abertura do restaurante, o trabalho não está feito, “de todo”. “Vai ser o arranque, o meu trabalho será permanente até as pessoas saírem do projeto — o objetivo é que sejam integradas em respostas de empregabilidade adequadas e nas quais eles tenham interesse em entrar”, explica Alexandra, acrescentando que “trabalhar com este público é desafiante em todos os sentidos, mas de forma muito positiva. Toda a motivação e toda a vontade que todos eles têm, apesar das dificuldades, é o motor que permite que eu, em conjunto com eles, consiga trabalhar aquilo que é necessário para que consigam efetivamente organizarem-se e estar aqui hoje“.

100 entrevistas, 14 escolhidos

“Não foi fácil e, obviamente, nem toda a gente tinha perfil”, confessa o chef Nuno Bergonse sobre as cerca de 100 entrevistas que fez para escolher os primeiros 14 empregados do ‘É um restaurante’. A trabalhar com a Crescer para o projeto Marhaba — que organiza eventos em volta da mesa, acolhendo refugiados vindos da Eritreia e da Síria –, Nuno recebeu com naturalidade o convite para ajudar em mais uma “empreitada”. Consultor do ‘É um restaurante’ desde o primeiro dia, tem ajudado o projeto a crescer, a partir da cozinha, da qual é chef consultor — o chef operacional e David Jesus, que estará todos os dias no restaurante.

A equipa da Crescer envolvida no projeto do É um restaurante.

A expectativa da Crescer, com este projeto, é poder formar e reintegrar no mercado de trabalho 24 pessoas por ano, que passarão por todo o processo de formação, capacitação e procura de um regresso ao mercado.

“Este é o projeto inicial mas é óbvio que é replicável em qualquer parte do mundo, porque infelizmente há pessoas num estado de pobreza grande no mundo inteiro. É um projeto piloto e podemos agarrar nesta fórmula e pô-la noutro canto do mundo”, diz o chef, acreditando no potencial escalável do ‘É um restaurante’.

“Acompanhei o projeto desde o início: as obras, a construção do projeto, a carta, a formação destas pessoas, as entrevistas, a parte da sala, o recrutamento das pessoas”, explica sobre esta “plataforma” que, mais do que alimentar pessoas desfavorecidas, “colocou essas pessoas em situação vulnerável a trabalhar e a cozinhar para alimentar toda a gente”. “O objetivo é criar um negócio sustentável à volta de uma ação. Não é um trabalho de apagar fogos, é uma inclusão na sociedade total, direta. E isso é mais difícil mas é muito mais interessante, mais útil e mais vantajoso”.

É um projeto piloto e podemos agarrar nesta fórmula e pô-la noutro canto do mundo.

Nuno Bergonse

Chef consultor do É um restaurante

Entre os principais desafios de execução do projeto estiveram, asseguram os mentores, a ausência de rotinas, um comportamento social “mais delicado e sensível” e, também, a falta de confiança nas próprias capacidades. “Muitas destas pessoas não trabalham há 10, 15 anos. Mas o que é comum a todas é que todos querem mudar de vida. Isso demonstra a todos os parceiros que vale a pena ajudar”, acrescenta o chef.

Numa primeira fase, o ‘É um restaurante’ abrirá apenas para jantares. A ideia é que a equipa esteja dividida em dois grupos: o da manhã trata das preparações enquanto o da tarde fica a cargo do serviço. “A ementa assenta numa cozinha de partilha e de conforto, sem ser assumidamente conservadora mas com uma essência de ingredientes portugueses. A comida é importante? Sim, é. Mas mais do que um restaurante, é relevante toda a filosofia que está por trás do projeto. O restaurante é importante mas o mais importante é a inclusão social destas pessoas: é daqui a dois ou três meses garantir que elas têm competências para estar no mercado de trabalho”, reforça Nuno Bergonse.

O primeiro restaurante da Crescer, que contacta com cerca de 2.000 pessoas anualmente, fica na Rua de São José, em Lisboa. O preço por pessoa varia entre os 20 e os 25 euros.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

É (mais do que) um restaurante. É um projeto de reinserção social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião