A fuga das trotinetas

Algumas startups de "micro-mobilidade" estão a deixar o país com a mesma rapidez com que entraram. Lisboa chegou a ter uma dezena delas, mas quatro já decidiram sair.

As empresas de trotinetas elétricas estão a deixar o país com a mesma rapidez com que entraram. Este ano, Lisboa acolheu mais de uma dezena de startups focadas em explorar este negócio de “micro-mobilidade”, mas a debandada está instalada.

Os suecos da Voi, uma das maiores, foram os primeiros a assumir publicamente o fim das operações no mercado nacional esta semana. Ao que o ECO apurou, a equipa em Portugal já foi dispensada.

Antes, Wind e Bungo fizeram o mesmo de forma discreta. E até a Tier, que recebeu este verão uma injeção de capital milionária do fundo português Indico, decidiu que não valia a pena manter as trotinetas por cá.

Há vários motivos que explicam este fenómeno. Desde logo, o vandalismo: muitas trotinetas são roubadas ou têm acabado no fundo do Tejo. Depois, a falta de um enquadramento legal no país e as multas que têm sido aplicadas por causa de quem deixa estes veículos no meio do passeio.

Mas o fator mais crítico é a concorrência. Em poucos meses, milhares de trotinetas foram postas nas ruas de Lisboa, apesar das críticas dos moradores. Isto funcionou durante algum tempo, em que as tarifas eram iguais em todos os operadores. Mas não tardou até uma destas startups decidir baixar o preço e aplicar pressão adicional no mercado.

“Ninguém estava a ganhar dinheiro com isto”, comentava com o ECO uma fonte do setor, ao mesmo tempo que criticava o modelo usado pela Câmara de Lisboa, que autorizou a entrada de tantas empresas na cidade. Por isso, há quem peça um leilão de licenças, como o que está a ser preparado pela autarquia do Porto.

Quanto à Lime, que é a maior de todas e foi pioneira em Portugal, também anunciou o fim do negócio em Coimbra e está a “avaliar” a estratégia em Portugal. Um mau presságio para uma startup cujo valor subiu até aos 2,4 mil milhões de dólares em apenas dois anos de existência.

Com ou sem trotinetas em Lisboa, não deixa de ser irónico o seguinte: que um setor que vive da promessa de cidades mais sustentáveis tenha tantas dificuldades em manter a sua própria sustentabilidade.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A fuga das trotinetas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião