A pandemia e o direito da insolvência

  • Maria de Fátima Ribeiro
  • 24 Março 2020

O regime estabelecido na legislação insolvencial não é pensado para uma conjuntura de exceção como aquela que, inevitavelmente, enfrentaremos em breve.

A situação que vivemos atualmente, no país e no mundo, tem contornos especialmente assustadores: há angústia e incerteza quanto ao que vai ser o nosso futuro próximo, em termos de saúde e até de sobrevivência, junta-se a já sentida preocupação com o seu impacto económico, em particular depois da declaração do estado de emergência em Portugal.

Para tentar amenizar as repercussões da inevitável crise, têm sido tomadas e anunciadas várias medidas aos mais diversos níveis. Não obstante, é urgente (re)pensarmos os efeitos económicos do novo coronavírus nas empresas e no nível do respetivo endividamento. O regime estabelecido na legislação insolvencial não é pensado para uma conjuntura de exceção como aquela que, inevitavelmente, enfrentaremos em breve.

Desde logo, os instrumentos pré-insolvenciais destinados a promover a recuperação de empresas em dificuldades são exatamente isso: pré-insolvenciais, ou seja, apenas pode recorrer a eles uma empresa que se encontre em situação económica difícil ou de insolvência iminente – nunca uma empresa que se encontre já numa situação de insolvência atual.

De resto, na insolvência atual, impende sobre o órgão de administração ou qualquer um dos administradores da empresa insolvente, especificamente quando esta se encontre impossibilitada de cumprir as suas obrigações vencidas, o dever de apresentação da empresa à insolvência nos 30 dias seguintes à data do conhecimento da situação (ou à data em que ela deveria ter sido conhecida). O não cumprimento deste dever pode levar à qualificação da insolvência como culposa, sendo inclusivamente presumida a existência de culpa grave dos administradores nesta situação, com a sua consequente responsabilidade pessoal perante os credores da sociedade declarada insolvente.

Este regime, que faz todo o sentido num contexto económico “normal”, não será o mais adequado para responder à profunda crise que nos preparamos para enfrentar: ainda que o Estado anuncie as mais diversas medidas de apoio às empresas, sabemos que os recursos serão necessariamente escassos; por outro lado, a concessão de moratórias relativamente ao cumprimento de determinadas obrigações e a facilitação na concessão de crédito virão onerar, a médio prazo, os seus beneficiários, que um dia serão inevitavelmente chamados a cumprir (e que, nesse momento, ainda se encontrarão sob o efeito da recessão). As empresas, nos diferentes setores (pense-se por exemplo na restauração), continuam, entretanto, a ter de suportar a maior parte das despesas habituais, mesmo estando praticamente privadas de receita; rapidamente se verão na impossibilidade de cumprirem as obrigações vencidas.

Todos sabemos que, sobretudo no caso das pequenas empresas, a via mais fácil e segura pode ser mesmo a de uma apresentação precipitada à insolvência, com a perspetiva de constituição de nova sociedade assim que a conjuntura permitir, com alguma segurança, a exploração de um novo (afinal, o velho) projeto empresarial. Mas essa não é, nem social nem economicamente, a melhor solução – se o desfecho do processo for a liquidação da empresa, não o é por razões óbvias, que se ligam sobretudo à exígua satisfação dos créditos não garantidos e não privilegiados, bem como ao impacto na taxa de desemprego; se for a sua recuperação, também não o será, porque entretanto inevitavelmente essa empresa perderá valor no mercado, pondo em risco o seu desempenho futuro (de resto, não é raro que uma empresa sujeita a um plano que visa a sua recuperação acabe, mais tarde, por vir a ser declarada insolvente).

Impõe-se, assim, a intervenção do legislador insolvencial, de modo a adequar a aplicação dos pressupostos objetivos da declaração de insolvência (a exemplo do que se fez na Alemanha, com a Finanzmarktstabilisierungsgesetz, em 2008, quanto à aplicação do conceito de sobre-endividamento neste âmbito) e a flexibilizar o recurso a instrumentos pré-insolvenciais nesta situação de exceção, sob pena de podermos ver agravar-se e prolongar-se de modo muito significativo a crise que estamos já destinados a suportar.

*Maria de Fátima Ribeiro é professora da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa e investigadora em direito da insolvência.

  • Maria de Fátima Ribeiro
  • Professora da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica Portuguesa e investigadora em direito da insolvência.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A pandemia e o direito da insolvência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião