Beyond 2017: A Reforma do Estado

Carlos Lobo, da EY, deixa três questões no ar após a conferência sobre transformação digital na Administração Pública, inserida na iniciativa Beyond 2017.

A transformação digital na Administração Pública levanta três perguntas às quais é preciso dar resposta: o que é o Estado hoje, onde está e quem é?

O que é o Estado hoje?

As mudanças económicas estruturais são cada vez mais aceleradas, e as obrigações de serviço público cada vez mais difusas. É essencial que o modelo de autoridade seja substituído por um modelo de parceria – esse é o verdadeiro sentido de uma verdadeira e própria Reforma do Estado. As incapacidades de mercado que anteriormente se verificavam, com a sofisticação tecnológica, deixaram de existir. As estradas podem ser tributadas por utilização por via de localizadores ou digitalizadores de matriculas, os prestadores de serviços de transporte e de alojamento podem deixar de ser regulados na presença de modelos de feedback automático. Estes simples exemplos, demonstram que conceito de bem público está claramente em crise. Porém, e apesar de tudo, a sociedade está cada vez mais desigual: a iliteracia digital irá acentuar as clivagens sociais, igualmente em velocidades nunca vistas. Ora, a chave para isso é clara: o Estado deve centrar-se na garantia do funcionamento eficiente do mercado, reformando-se permanentemente de forma a ser fornecedor de valor acrescentado aos agentes no mercado e não um qualquer agente de bloqueio por mera inadaptação burocrática e simultaneamente deverá reforçar a sua acção na área que se torna cada vez mais crítica: a garantia do princípio da igualdade, com eliminação das disparidades sociais, económicas e territoriais.

Onde está o Estado?

Com a digitalização, o Estado pretende estar em todo o lado, e em lado algum. A digitalização é isso mesmo. Uma ausência física local ao nível instrumental, mais do que compensada por uma presença virtual global e aconchegante. O risco é claro. Se essa digitalização for mal dirigida ou, mal percepcionada, o Estado não estará em lado algum, e as pessoas não sentirão o Estado. Movimentos populistas agregados por motivações psicológicas básicas, tais como os sentimentos nacionalistas, ou meramente posições antissistema, surgirão em redes sociais por via de comunicações não filtradas, onde rumores afastarão os factos. Assim, o Estado deverá desenvolver proactivamente a sua agenda digital, eliminando os obstáculos administrativos condicionadores da actividade dos particulares e resistindo à tentação de uma demonstração de existência por via da negação de pretensões.

Quem é o Estado?

A desintermediação inerente à transformação digital questiona visceralmente o status quo económico. Os intermediários estão a desaparecer a uma velocidade aterradora. Negócios anteriormente florescentes como as agências de viagens, a banca e outros, necessitam de se reinventar para uma lógica relacional peer to peer. No futuro, todos nós seremos profissionais independentes com uma clientela potencial de sete biliões (a caminho dos oito). Ora, o Estado é igualmente um intermediário. E, por essa razão, também terá de se reformar. Porém, toda esta situação estrutural faz-nos relembrar algo por vezes esquecido: o Estado somos todos nós. E é nesse pressuposto que toda a Reforma da Administração Pública deve ser realizada. Mais do que serviços públicos ou cidades inteligentes, o que se pretende é Estado de cidadãos inteligentes que exerçam uma cidadania inteligente.

(Carlos Lobo é líder do Setor de Governo e Setor Público da EY. Escreve de acordo com a antiga ortografia)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Beyond 2017: A Reforma do Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião