Cabify Portugal, uma lição nos negócios

A extinção da Cabify em Portugal é um caso digno de estudo. A empresa foi vítima da sua própria estratégia: a de apontar o foco à qualidade do serviço.

A Cabify anunciou que vai sair de Portugal, dois meses depois de o ECO ter exposto as dificuldades que a startup espanhola estava a enfrentar neste mercado. O serviço deixa de funcionar este sábado, mais de três anos depois de ter chegado ao país.

A equipa liderada por Daniel Bedoya tentou manter a empresa no país até à última hora. A prova disso é o facto de, numa primeira fase, só ter anunciado um ponto final no serviço para empresas. A decisão de acabar com a Cabify no país foi tomada mais tarde. E revelada vários dias depois.

Numa altura em que existem outras alternativas tecnológicas no mercado, para além da Uber, que é vista como se fosse um incumbente, é fácil esquecer o que significou a presença da Cabify em Portugal.

Não foi só mais uma startup a operar no país. Foi a “concorrente-aliada” da Uber no braço de ferro dos taxistas, tendo assistido e resistido à primeira e segunda grandes greves do setor, antes da legalização desta atividade.

Em outubro de 2016, praticamente em simultâneo com o nascimento do ECO, o país acordou para a presença de milhares de taxistas nas ruas. Não pediam o fim da Kapten, nem o fim da Bolt. Pediam, isso sim, o fim da Uber e da Cabify. Porque, nessa altura, provavelmente nem a Kapten nem a Bolt sonhavam alguma vez vir a ter a dimensão que têm hoje.

A extinção da Cabify em Portugal é um caso digno de estudo. Isto porque a empresa foi vítima da sua própria estratégia: focar-se mais na qualidade. Digam o que disserem as outras plataformas (e elas têm-no dito), o serviço básico da Cabify era muitíssimo mais exclusivo do que o da Uber, Kapten e Bolt.

Além disso, a empresa, durante muito tempo, exigia exclusividade aos motoristas. Era, novamente, uma estratégia para garantir mais controlo sobre a qualidade. Ironicamente, foi também o gatilho para a fuga de motoristas para plataformas concorrentes, o que, mais recentemente, veio a ditar o desfecho que agora conhecemos.

Na vida e nos negócios, os imprevistos acontecem. A Cabify foi vítima de si própria e da incapacidade de se adaptar a um mercado em constante mutação. À saída, a empresa não bateu com a porta. Avisou os poucos motoristas que ainda tinha. Depois, avisou os clientes. E deixou o futuro em aberto: não disse um adeus, mas sim um “até já”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cabify Portugal, uma lição nos negócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião