Cabify Portugal, uma lição nos negócios

A extinção da Cabify em Portugal é um caso digno de estudo. A empresa foi vítima da sua própria estratégia: a de apontar o foco à qualidade do serviço.

A Cabify anunciou que vai sair de Portugal, dois meses depois de o ECO ter exposto as dificuldades que a startup espanhola estava a enfrentar neste mercado. O serviço deixa de funcionar este sábado, mais de três anos depois de ter chegado ao país.

A equipa liderada por Daniel Bedoya tentou manter a empresa no país até à última hora. A prova disso é o facto de, numa primeira fase, só ter anunciado um ponto final no serviço para empresas. A decisão de acabar com a Cabify no país foi tomada mais tarde. E revelada vários dias depois.

Numa altura em que existem outras alternativas tecnológicas no mercado, para além da Uber, que é vista como se fosse um incumbente, é fácil esquecer o que significou a presença da Cabify em Portugal.

Não foi só mais uma startup a operar no país. Foi a “concorrente-aliada” da Uber no braço de ferro dos taxistas, tendo assistido e resistido à primeira e segunda grandes greves do setor, antes da legalização desta atividade.

Em outubro de 2016, praticamente em simultâneo com o nascimento do ECO, o país acordou para a presença de milhares de taxistas nas ruas. Não pediam o fim da Kapten, nem o fim da Bolt. Pediam, isso sim, o fim da Uber e da Cabify. Porque, nessa altura, provavelmente nem a Kapten nem a Bolt sonhavam alguma vez vir a ter a dimensão que têm hoje.

A extinção da Cabify em Portugal é um caso digno de estudo. Isto porque a empresa foi vítima da sua própria estratégia: focar-se mais na qualidade. Digam o que disserem as outras plataformas (e elas têm-no dito), o serviço básico da Cabify era muitíssimo mais exclusivo do que o da Uber, Kapten e Bolt.

Além disso, a empresa, durante muito tempo, exigia exclusividade aos motoristas. Era, novamente, uma estratégia para garantir mais controlo sobre a qualidade. Ironicamente, foi também o gatilho para a fuga de motoristas para plataformas concorrentes, o que, mais recentemente, veio a ditar o desfecho que agora conhecemos.

Na vida e nos negócios, os imprevistos acontecem. A Cabify foi vítima de si própria e da incapacidade de se adaptar a um mercado em constante mutação. À saída, a empresa não bateu com a porta. Avisou os poucos motoristas que ainda tinha. Depois, avisou os clientes. E deixou o futuro em aberto: não disse um adeus, mas sim um “até já”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cabify Portugal, uma lição nos negócios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião