Twitter já não vai apagar contas inativas. Podia remover pessoas que morreram

O Twitter suspendeu o plano para apagar contas inativas em dezembro. A intenção motivou queixas de utilizadores que receavam que as contas de pessoas que já morreram também fossem apagadas da rede.

O Twitter anunciou no início da semana que iria apagar as contas que estivessem inativas na rede social há mais de seis meses, uma medida que visava libertar nicknames na plataforma e apagar contas antigas que já não estão a ser utilizadas. Mas isso já não vai acontecer, pelo menos para já.

O motivo do recuo está no facto de a decisão poder vir a eliminar da plataforma as memórias de muitas pessoas que já morreram. Este problema motivou queixas de vários utilizadores, que receavam perder o acesso ao arquivo de publicações dos familiares e amigos já falecidos.

“Ouvimos as queixas do impacto que a medida teria nas contas de pessoas que morreram. Isso foi uma falha da nossa parte. Não vamos remover contas inativas até que seja criada uma forma de as pessoas poderem transformar contas em memoriais”, anunciou o Twitter, num comunicado, citado pelo Business Insider.

Este caso insólito é um exemplo da efemeridade da internet. Apesar de ser comum a ideia de que tudo o que é colocado na internet fica para sempre na internet, na realidade, há registo de arquivos digitais que desapareceram porque foram eliminados de um servidor, ou porque esse servidor foi desligado. Este problema tem acontecido quando, por exemplo, alguns jornais fecham e os arquivos de notícias, com elevado interesse histórico, acabam por desaparecer da rede.

No caso do Facebook, os utilizadores têm uma forma de indicar um “herdeiro” para a sua conta. Este utilizador, normalmente um amigo, o cônjuge ou um familiar, ganha a capacidade de transformar essa conta num memorial, em caso de óbito.

Comentários ({{ total }})

Twitter já não vai apagar contas inativas. Podia remover pessoas que morreram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião