Eleições em 28 Capítulos

As Eleições são um gatafunho escrito na margem do que pensamos que sabemos. Bem ou mal o Povo da Europa vai votar.

As Eleições Europeias prometem acabar com o consenso fundador da Europa. Com elevada probabilidade, pela primeira vez teremos no Parlamento Europeu uma significativa representação política dos partidos Populistas. É o regresso de uma ideia de Europa banida, humilhada e condenada desde o Pós-Guerra. Reconvertida em estilo hipster, apresenta-se hoje renovada, sublimada por uma visão do Futuro e impulsionada por uma outra ideia de Europa. Neste sentido, o Projecto Europeu tanto poderá sair reforçado como cair derrotado.

A questão reside no facto das duas ideias de Europa não parecerem estar dispostas a entrar num compromisso político. Aliás, a palavra “compromisso” não entra no vocabulário político Populista, pois a Europa vigente repousa no concerto das Nações em compromisso. A Europa Populista, que se opõe à Europa Social-Democrata, não pretende defender e difundir a ideia de que existe um destino partilhado em direcção a um Futuro comum. O que tem vindo a morrer nas ruas da Europa é precisamente a ideia de que é possível e desejável a construção de uma Grande Europa aberta a novas experiências políticas e a novas aventuras demográficas. O que parece estar a renascer na Europa é o confronto entre dois Sistemas, duas visões inimigas que se defrontam pelo monopólio da verdade política. Se esta tendência prevalecer, os conflitos políticos pessoais transformam-se em conflitos políticos nacionais, o Ideal da Europa e a Realidade da Europa separam-se até que a História ou alguma personalidade política de excepção concretize uma nova Reunificação Política.

A dicotomia Esquerda-Direita tem sido ultrapassada pelas Guerras Culturais que atravessam o Continente com a precisão sísmica de uma fissura atlântica. A Europa Social-Democrata é o rosto visível e punível do establishment, distante da população da Europa, burocrática na essência, insensível na política. Nos bairros perdidos entre as Grandes Circulares Externas, nas varandas que se abrem para as ruas desertas, nas planícies de asfalto dos Parques de Estacionamento das Grandes Superfícies Comerciais, as expectativas de uma vida mais próspera acabam na fila de um guichet do Grande Contrato Social.

A Europa Social-Democrata não tem resposta para a pressão migratória, para a questão da segurança, para as minorias dominantes, para o Multiculturalismo compulsivo, para a ascensão do Nacionalismo, para o desemprego, para o horizonte baço de um futuro sem expectativas com um cheque-reforma a rondar o montante da miséria. A Justiça Social torna-se numa profecia misteriosa compilada em euforia por um comité de conselheiros económicos. Neste labirinto político, a promessa da Europa Social-Democrata perde-se na realidade rural de um interior desertificado, perde-se na degradação oxidada das grandes Zonas Pós-Industriais. A promessa da Europa Social-Democrata perde-se na nova geração citadina, activista climática, ciclista militante, vegan vigilante, que opta por estilos de vida alternativos nas novas zonas da cidade em gentrificação. E não adianta referir o Centro-Direita comprometido, por um lado, pela crise financeira, a austeridade e a imagem do “Partido dos Bancos”; por outro lado, condicionado pela pressão crescente da Europa Populista que se multiplica em milhões de “Selfinis” da Lombardia ao Vale do Ruhr.

A Europa Social-Democrata confunde “compromisso” com “uniformidade”. Sendo capaz de ver a Europa, não consegue pressentir a Nação e sentir o Indivíduo. A Europa Social-Democrata consegue ver e inventar as regras sem ter a mínima noção do jogo. Sendo flexível, transporta a meia flexibilidade de quem julga que todos têm de caminhar no sentido definido por Bruxelas. Respeitando na aparência todas as opiniões, a Europa Social-Democrata coloca todas as suas posições e decisões políticas num patamar moral superior. Dependentes da Política, destituídos de um hinterland, entendem a posse de um cargo político como sílabas do Projecto Europeu. A Europa Populista não tem o hábito de jantar com a Oposição. Ruidosa e zangada na sua prática e discurso políticos, reproduz a linguagem do Homem Normal, o rosto de quem cresceu cedo para a vida para despontar medíocre para o anonimato. A Europa Populista representa a nova geração punk, uma geração revoltada no seu Continente, mas humilhada por minorias e sem vestígios de futuro. O Continente Populista alimenta-se do ressentimento e da revolta, defende os Europeus em trajes de vítima e acusa os Estrangeiros em vestes de culpado. A Europa Populista é o choque entre os que Dominam e os que são Dominados.

As Eleições Europeias são processos políticos sobrepostos e estranhamente ligados, uma série pós-moderna e pós-cristã das variações e vicissitudes políticas da Europa. As Eleições Europeias são o retrato mundano e secular que representa o romance político de um Continente. As Eleições são um gatafunho escrito na margem do que pensamos que sabemos. Bem ou mal o Povo da Europa vai votar. Num parêntese vindo do coração e passando pelo cérebro, o que é mais importante: Uma ideia específica da Europa ou o exercício mesmo que errado da Democracia?

Nota: O autor escreve ao abrigo do antigo acordo ortográfico

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Eleições em 28 Capítulos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião