O novo Estado Parafiscal

  • Filipe de Vasconcelos Fernandes
  • 20 Abril 2020

Este novo modelo de Estado Parafiscal requer uma nova redefinição de alguns dos princípios estruturantes da tributação, em particular nas “contribuições financeiras a favor das entidades públicas".

No final dos anos 70 do século passado, um ilustre jurista alemão (Josef Isensee) escreveu um artigo cujo título, assaz impressivo, aludia ao facto de o Estado Fiscal se ter assumido, em definitivo, como uma verdadeira forma de Estado.

Subjacente ao mesmo encontrava-se a ideia, anteriormente avançada por autores como Albert Schäffle ou Joseph Schumpeter, segundo a qual, na evolução da Teoria Geral do Estado, o Estado Fiscal se teria assumido, em simultâneo, como causa e consequência da ordem política e económica contemporânea.

Característica-chave do modelo de Estado Fiscal a que se referira Josef Isensee era a separação definitiva entre Estado e sociedade e a consequente despersonalização das prestações ao Estado por parte dos contribuintes que, desta forma, passariam a estar essencialmente dependentes da sua performance em contexto de mercado (obtenção de rendimentos, prática de atos de consumo e, em certos casos, a titularidade de património).

É, aliás, nesse sentido que, na literatura académica, este modelo de Estado Fiscal (essencialmente caracterizado por um financiamento público por recurso a impostos) costuma ser oposto a um outro, o designado Estado Taxador (por seu turno, caracterizado pelo recurso generalizado a tributos de base bilateral, em especial taxas).

Deste modo, poderá dizer-se que o modelo-base de Estado Fiscal assenta numa efetiva sobreposição dos tributos de natureza unilateral (impostos) aos tributos de natureza bilateral (taxas, contribuições), como forma de garantir ou suprir as necessidades de financiamento públicas.

É sobretudo a este nível que o momento atual evidencia uma total metamorfose dos pressupostos ancestrais sobre os quais vem radicando o Estado Fiscal, ao mesmo tempo que não permite uma recondução ao modelo oposto, o de Estado Taxador.

Vejamos em que termos.

Ainda na sequência da crise económico-financeira dos anos recentes, o legislador tem incrementado o recurso a várias soluções tributárias de caráter sistémico – regra geral com a designação de “contribuição extraordinária” – cujo propósito real, ao invés de corresponder a verdadeiras reformas de perfil estrutural, acaba por se reduzir a uma maximização das fontes de receita pública.

Assim sendo, a criação desta panóplia de tributos sistémicos funciona como um mero sucedâneo (imperfeito) de reformas no plano estrutural, com destaque para o segmento da despesa pública, optando o legislador por modelos tributários em que são criadas fontes de receita adicional para necessidades cuja existência é, na maioria dos casos, exclusivamente imputável à inação ou omissão do próprio legislador!

Os casos atuais são variados e evidenciam que o recurso à via tributária mais não faz senão corrigir ou atenuar efeitos de opções exclusivamente imputáveis ao decisor público: Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético, Contribuição Extraordinária sobre a Indústria Farmacêutica, Adicional ao IMI ou a recente Contribuição Extraordinária sobre Dispositivos Médicos, são apenas alguns exemplos.

Este novo modelo de Estado Parafiscal, que é substancialmente distinto do ancestral Estado Fiscal, mas também do modelo – diametralmente oposto – de Estado Taxador, requer uma nova redefinição de alguns dos princípios estruturantes da tributação, em particular ao nível da figura das “contribuições financeiras a favor das entidades públicas” referidas no artigo 165.º, n.º1, alínea i) da Constituição – tarefa essa a cargo de todos os operadores jurídicos, incluindo os tribunais e, com especial relevo (e necessidade), do Tribunal Constitucional.

  • Filipe de Vasconcelos Fernandes
  • Consultor na área fiscal da Vieira de Almeida

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O novo Estado Parafiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião