O salário de Catarina

Foi precisamente sobre a noção de salário indirecto que me debrucei. Ou melhor, sobre a ideia do Estado social enquanto salário indirecto.

Há dias, a propósito do rendimento básico incondicional (RBI), a coordenadora do Bloco de Esquerda foi citada pela imprensa a equiparar o RBI a uma espécie de “cheque vida”. De seguida argumentou: “Será o mercado a determinar o que oferece, em que local e para quem e, depois com o tal rendimento, veremos quem chega a aceder ao que hoje nós sabemos que é parte do nosso direito, da nossa democracia, do nosso salário indireto, que é o Estado social”.

Ao ler estas declarações, foi precisamente sobre a noção de salário indirecto que me debrucei. Ou melhor, sobre a ideia do Estado social enquanto salário indirecto.

O BE, que me parece ter hoje em Portugal poder político superior ao poder dos seus votos, de quando em vez revela sem ambiguidades ao que vem. A afirmação da sua coordenadora vai nesse sentido, como antes também tinha sido o caso do célebre “ir buscar a quem está a acumular”. É uma agenda política de saque, à falta de melhor tradução para português do inglês “loot”. Temos, portanto, que para o BE o Estado social serve para remunerar as pessoas. Seria uma concepção deveras interessante caso o Estado social produzisse alguma coisa em primeiro lugar. Mas não. O Estado social não produz coisa nenhuma, apenas se apropria da riqueza, redistribuindo os proveitos resultantes da produção de terceiros.

A ideia do Estado social como salário, e esqueçamos agora a parte do “indirecto”, é o melhor caminho para a miséria e para a servidão. Para a miséria porque, se assim fosse, e se no limite nada existisse para além do Estado provedor, ninguém teria incentivo a produzir o que quer que fosse. Ficaríamos todos a olhar para o Estado (o que em si também é uma contradição porque o Estado não é uma pessoa), à espera do nosso “salário”. Para a servidão porque, num país em que acordássemos e nos deitássemos sob a alçada do Estado, teríamos dado o primeiro passo para convencer as pessoas a deitarem fora aquilo que mais as qualifica enquanto pessoas: a sua capacidade de julgamento. Acabaríamos globalmente mentecaptos. Uma sociedade feita de homens e mulheres imbecis, sem julgamento nem iniciativa.

De resto, a própria ideia do Estado social como um direito incontestável é também equívoca. De facto, o Estado social até pode ser um direito no sentido constitucional do termo, porém, não é um direito no sentido natural do termo.

De facto, as pessoas não nascem com direito ao Estado social. Na verdade, o Estado social não passa de uma construção humana, reflectindo em parte a capacidade de julgamento das pessoas. O julgamento de que existem situações em que a comunidade, neste caso a comunidade alargada organizada ao nível do Estado, pode intervir a fim de amparar ou de premiar aqueles que a maioria de cidadãos entende merecedores de tais apoios. A intervenção pública assume nestas circunstâncias a forma de uma rede de segurança e, ao mesmo tempo, também de trampolim (no bom sentido, claro está).

De uma forma ou de outra, tudo na vida é uma troca entre duas ou mais partes e aqueles que contribuem para o Estado social buscam diferentes tipos de retribuição. Há aqueles que buscam retribuições altruístas, como uma menor desigualdade de rendimentos na sociedade ou a valorização humana de pessoas terceiras. Há também aqueles que apenas se contentam com motivações egoístas, como a redução da criminalidade associada a menos desemprego ou a ideia de um dia deixar de ser necessário apoiar alguém porque esse alguém já não precisa de apoio.

Todas as razões são válidas, porque o homem e a mulher, sendo parte de uma sociedade, são em primeiro lugar seres individuais e têm todo o direito de procurar a sua felicidade e a sua forma de retribuição do modo que melhor entenderem.

Pelo contrário, se há imagem que não gera qualquer retribuição ao contribuinte, nem material nem espiritual, essa imagem é a do esbanjador que apenas consome e nada produz. Gente assim até pode ser engraçada no início, mas rapidamente perde a sua graça. Trata-se da alegoria de Marx (“de cada qual, segundo as suas capacidades; a cada qual, segundo as suas necessidades”) levada ao mais radical limite. É uma alegoria autodestrutiva que, como escreve Ayn Rand no seu épico “Atlas Shrugged”, termina no dia em que os que produzem, para que todos os outros possam consumir, metem greve e desaparecem. É o dia em que deixam de contribuir porque, quanto mais produzem, mais salários indirectos se veem a pagar. E, então, os saqueadores entram em pânico, porque o motor do seu mundo parou. Veja-se a Venezuela. É o mundo do BE.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O salário de Catarina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião