5 coisas que vão marcar o dia

Esta quarta-feira é dia de debate quinzenal e de Estado da União. IGCP volta hoje ao mercado e Miguel Barreto vai ser ouvido no Parlamento. Como anda o comércio internacional? INE responde.

A poucos dias da entrega do Orçamento do Estado para 2019, o Governo vai ao Parlamento para mais um debate quinzenal. Em São Bento também estará Miguel Barreto para ser ouvido na Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Energia. O INE, por sua vez, divulga os dados relativos ao comércio mundial e o IGCP volta ao mercado. A reunião anual do FMI prossegue na Indonésia.

Em vésperas de OE, é dia de debate quinzenal

A cinco dias da entrega do Orçamento do Estado para o próximo ano, António Costa vai à Assembleia da República para mais um debate quinzenal, que desta vez tem como tema o emprego e a economia. O plenário desta quarta-feira ficará ainda marcado pelo debate sobre o Estado da União. Esta discussão que contará também com a presença do Governo terá como principal foco a construção da União Europeia.

Miguel Barreto ouvido no Parlamento

O antigo diretor-geral da Direção Geral de Energia e Geologia Miguel Barreto vai ser ouvido, esta quarta-feira, no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Energia. Recorde-se que, em julho, Barreto foi constituído arguido por indícios de “tráfico de influências e participação económica em negócio”, nas investigações ao processo dos CMEC da EDP.

ICGP realiza leilão de obrigações do Tesouro

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública regressa ao mercado, esta quarta-feira, para uma emissão de obrigações do Tesouro a dez anos, com um montante indicativo entre 750 e 1.000 milhões de euros. Na última emissão comparável (realizada a 12 de setembro), o organismo liderado por Cristina Casalinho colocou 672 milhões de euros com uma taxa de juro de 1,854%. No mercado secundário, os juros a dez anos superaram a fasquia dos 2%.

Como anda o comércio internacional?

O Instituto Nacional de Estatística divulga, esta quarta-feira, os dados de agosto relativos ao comércio internacional. Em julho, as exportações portuguesas de bens ultrapassaram o ritmo de crescimento das importações: cresceram 13% que compara com o crescimento de 11% das importações. Tal acabou por resultar numa redução do défice da balança comercial. Em 2017, as exportações portuguesas aumentaram 10% e as importações subiram 13,1%.

Prosseguem reuniões anuais do FMI

Os Conselhos de Governadores do Grupo do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional voltam a reunir-se esta quarta-feira, na Indonésia. Durante o encontro, serão lançados os capítulos principais do Monitor Fiscal, relativos às contas públicas dos vários países, e o Relatório Global de Estabilidade Financeira. Recorde-se que, no primeiro dia desta reunião anual, o FMI reviu em baixa o crescimento económico mundial, apontando a guerra comercial entre os Estados Unidos e a China como uma das principais justificações desse cenário.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião