Trabalho remoto pós-Covid

  • Pedro Moura
  • 12 Junho 2020

Há uma vertigem de incertezas que se amontoam e dificultam perceber o que vai acontecer no futuro, como vai ser o futuro, onde encontrar a esperança que nos leve a perseverar.

Há uma sensação de falta de controle que assola todos, pessoas, empresas, instituições. É normal numa situação como esta, em que todos foram apanhados de surpresa e despreparados. Há uma vertigem de incertezas que se amontoam e dificultam perceber o que vai acontecer no futuro, como vai ser o futuro, onde encontrar a esperança que nos leve a perseverar.

No entanto, a história pode ajudar. Passei pessoalmente por algumas crises durante a minha vida profissional: a bolha das dot.com seguida do 11 de setembro, após o virar do século, a crise de 2008-2012. Nestas alturas a sensação de desnorte foi similar. Sentiu-se também que nunca tinha havido uma crise como a que se viveu nessa altura, que os danos para a economia iriam ser catastróficos, senão mesmo irrecuperáveis. O tempo encarregou-se de mostrar quão errados estávamos.

As recuperações aconteceram, muitas vidas foram mudadas e, como sempre acontece, houve pessoas e instituições que se adaptaram e vingaram, e outras que ficaram pior. Mas, no cômputo geral, evoluiu-se, houve melhorias. Um sistema democrático e capitalista, baseado no primado do indivíduo e na liberdade, vive da destruição criativa cíclica. É a própria natureza do sistema. Há, obviamente, que tomar conta das pessoas e famílias que passam dificuldades para não deixar ninguém para trás, mas não se pode viver para sempre em passados gloriosos ou confortáveis.

A situação atual permite-nos fazer experiências de novas formas de organização pessoal e de trabalho que não se sonhariam possíveis há meses atrás.

A massificação do trabalho remoto é uma delas. Embora o atual contexto não seja, de todo, o epíteto de trabalho remoto, pelo facto de ser forçado, a realidade é que grande parte das pessoas e empresas se vê agora nesta situação.

Há muito se fala das vantagens do trabalho remoto. Maior flexibilidade de horários, menos pressão nos transportes e no ambiente, melhor equilíbrio vida/trabalho, maior produtividade são hipóteses que finalmente podem ser testadas em escala. Tal como as tecnologias, ferramentas e capacidade de organização do trabalho remoto por parte das pessoas e das empresas.

No mais recente Tech Careers Report da Landing.Jobs, há alguns dados curiosos: mais de metade dos inquiridos considera importante ou muito importante a possibilidade de trabalho remoto ou trabalhar de casa. Entre estes haverá aqueles que preferem um ambiente remote-friendly (possibilidade de trabalhar alguns dias remotamente) e os que querem mesmo trabalhar em modo full-remote.

No entanto, políticas efetivas de trabalho remoto são claramente um fator de progressiva importância na atração de talento.

Há muitas empresas cujos gestores são culturalmente avessos a esquemas de trabalho em que “não podem ver” os seus colaboradores. Infelizmente a nossa cultura de trabalho enferma ainda muito de desconfiança e micro-gestão, com pouca predisposição para a criação e cultivo de ambientes de trabalho baseados em autonomia e responsabilidade dos colaboradores. Espero que esta crise sirva para que organizações mais retrógradas percam terreno para empresas mais dinâmicas, com maior capacidade de operar com culturas e métodos de organização menos tacanhos, quiçá com uma forte componente de trabalho remoto.

As oportunidades estão aí, haja vontade e coragem de mudar.

*Pedro Moura é head of talent na Landing.Jobs

  • Pedro Moura

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalho remoto pós-Covid

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião