IRGAwards distingue boas práticas no mercado de capitais. Fomos aos bastidores

IRGAwards são entregues a 19 de setembro, no Convento do Beato, em Lisboa. Distinguem as boas práticas no desenvolvimento do mercado de capitais em Portugal.

Falta pouco para a hora marcada e os membros do júri sentam-se na sala da Deloitte, em Lisboa, onde decorre uma das últimas reuniões. O trabalho dos últimos meses da escolha dos vencedores dos IRGAwards 2019 está em cima da mesa. É preciso decidir quem vence todas as sete categorias e, para isso, Vítor Bento, presidente do júri, está bem acompanhado. Além dele, na mesa estão António Gomes Mota, António Saraiva, Clara Raposo, Duarte Pitta Ferraz, Esmeralda Dourado, João Moreira Rato, Luís Amado, Nuno Fernandes e Patrícia Teixeira Lopes.

“O processo não é necessariamente longo no sentido de ser exaustivo, é longo no sentido de ser distribuído por fases. Uma das coisas que demora algum tempo, e isso depende da entidade organizadora, é definir a data da entrega dos prémios, e isso é uma âncora do calendário”, explica Vítor Bento sobre o caminho que vai do trabalho de recolha e escolha dos nomeados até ao anúncio dos vencedores deste ano, marcado para 19 de setembro no Convento do Beato, na capital portuguesa.

Criados nos anos 80, os Investor Relations & Governance Awards (IRGAwards) são atualmente dos prémios mais relevantes no panorama empresarial português. Ao longo dos anos, o prémio distinguiu entidades e personalidades distinguidas pela excelência da sua atuação, cumprindo assim esta iniciativa o seu propósito de reconhecer a excelência e a transparência na relação com os investidores.

Vítor Bento é presidente do júri dos IRGAwards.Hugo Amaral/ECO

“Os prémios são individuais, pessoais. São os atores da empresa que estão em causa. E, por isso, a criação de valor é importante — as empresas existem para criar valor e um ator pode ser muito bom noutras coisas mas se não criar valor não é um bom exemplo a seguir”, assinala o presidente do júri. Além da criação de valor, a transparência com que a função de direção é exercida é outro dos pilares onde assenta a escolha dos vencedores. “O que se procura julgar é a relação com os investidores. Numa relação em mercado de capitais há dois lados — os fornecedores e os tomadores de fundos –, e o que procuramos são as boas práticas nesta relação, posta do lado de quem toma os fundos. Não se julga o melhor CEO de sempre, mas durante este ano, na relação com os investidores”, detalha Vítor Bento.

As empresas existem para criar valor e um ator pode ser muito bom noutras coisas mas se não criar valor não é um bom exemplo a seguir.

Vítor Bento

Presidente do júri dos IRGAwards

Desde o momento em que se decidem, primeiro as categorias e depois dos finalistas em cada um dos parâmetros, até ao dia de entrega dos prémios, o processo prolonga-se por vários meses e exige alguns encontros. “Já há uma certa rotina nas decisões, o que significa que mesmo os elementos mais emocionais que possam existir no processo já estão muito tratados, muito contidos”, explica o presidente do júri sobre a tomada de decisão.

No caso particular de 2019, os IRGAwards têm como objetivo debater o tema da liderança sinfónica (“The Symphonic Leadership”), “ao criar um paralelismo entre os desafios de um líder empresarial na condução de uma equipa e os desafios de um maestro na direção de uma orquestra”, explica a organização.

Depois de alinhados os candidatos elegíveis, é altura da intervenção do colégio eleitoral composto por várias centenas de elementos, que compreende o top management e o top executive das empresas, mais os intervenientes do mercado dos dois lados das transações, que através de voto eletrónico votam nos vários candidatos. “É esse voto que estabelece uma primeira hierarquia dos candidatos e, dessa primeira hierarquia, o júri faz com que uma linha divisória da shortlist”, explica Vítor Bento. O número de finalistas depende, no final das contas, do total e do afastamento que há entre si. “Em geral, a shortlist, conta com entre três e cinco elementos. (…) Muitas vezes a decisão é photo finishing, no sentido em que a diferença entre o escolhido e os não escolhidos não é muito grande mas… tem de escolher-se um”, analisa.

Prémios e (futuros) premiados

Entre os nomeados para os três prémios principais estão, na categoria de “CEO em investor relations“, António Mexia (EDP), António Rios de Amorim (Corticeira Amorim), Carlos Gomes da Silva (Galp Energia), Miguel Maya (Banco Comercial Português) e Pedro Soares dos Santos (Jerónimo Martins). Por outro lado, na categoria de CFO em investor relations“, Cristina Rios de Amorim (Corticeira Amorim), Filipe Crisóstomo Silva (Galp Energia), João Manso Neto (EDP Renováveis), Miguel Bragança (Banco Comercial Português) e Miguel Stilwell d’Andrade (EDP) fazem parte da lista dos finalistas. Quanto à terceira categoria principal, que vai distinguir o melhor “Investor relations officer” do ano, os nomeados e finalistas são Ana Negrais de Matos (Corticeira Amorim), Cláudia Falcão (Jerónimo Martins), Miguel Viana (EDP) e Rui Coimbra (Banco Comercial Português).

Além das três categorias principais — que perduram praticamente desde o lançamento do prémio –, este ano o júri avaliou os nomeados noutros quatro rankings, atribuídas após uma deliberação direta. Entre as distinções destas quatro categorias estão o prémio de “Market Development Award“, que visa distinguir uma iniciativa com impacto significativo no desenvolvimento do mercado de capitais, o “Transformation Award“, que elege um projeto de excelência na transformação das atividades ou do negócio das empresas, o “Governance Initiative Award“, que reconhece uma iniciativa que tenha contribuído significativamente para a melhoria das condições do governo societário ou do mercado e, finalmente, a categoria de “Lifetime Achievement Award“, que distingue uma personalidade cuja carreira tenha tido impacto significativo no desenvolvimento do mercado de capitais, particularmente no seu aprofundamento ou na melhoria da sua eficiência, transparência, e responsabilidade e utilidade sociais, na melhoria da relação entre as empresas e os investidores, ou na melhoria do governo societário ou do mercado.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

IRGAwards distingue boas práticas no mercado de capitais. Fomos aos bastidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião