Curiosidade, produtos-estrela e um presunto ao ombro. Mercadona abriu portas aos “chefes” portugueses

Centenas de pessoas esperaram pelas 9 da manhã para serem das primeiras a entrar na primeira loja da Mercadona em Portugal. Cadeia espanhola deverá chegar a Lisboa em dois anos.

Ainda o dia não tinha arrancado oficialmente para os 85 trabalhadores da primeira loja da Mercadona em Portugal, no Canidelo, Vila Nova de Gaia, e já mais de uma centena de pessoas esperavam ansiosas pela abertura. À medida que a estrutura da porta automática ia revelando a entrada, Juan Roig, presidente da cadeia espanhola de distribuição e com mais de 1.600 lojas em toda a Espanha, sorria do outro lado do vidro.

O valenciano cumprimentou com um aperto de mão todos e cada um dos primeiros clientes: uns, vizinhos da loja, outros visitantes propositados, todos num misto de curiosidade e necessidade. “É uma loja diferente das outras: tem uma mostra de produtos mais saudáveis que estão agora a ser introduzidos no mercado e é mais uma mais-valia que as pessoas vão agora começar a conhecer”, diz Julieta Teixeira, 49 anos, que já conhecia a marca de Tenerife.

Alinhados e de camisa aos quadrados brancos e verdes — o verde é a cor base da marca — os empregados das caixas sorriem: afinal, há mais de três anos que a Mercadona começou a montar equipa em Portugal com foco nas primeiras aberturas. Hoje, os mais de 900 trabalhadores asseguram a operação que deverá chegar às dez lojas até final de 2019 e a mais dez no final de 2020. A empresa deverá contabilizar 1.100 trabalhadores até final do ano e, dentro de alguns anos, quer ter 150 lojas em território português.

“Sonhávamos em ser bem recebidos mas nunca se sabe o que vai acontecer. Trabalhámos muito nos últimos três anos para esta abertura”, disse o presidente da cadeia espanhola, que investiu 160 milhões de euros na internacionalização, dos quais 11,5 milhões na loja de estreia, no Canidelo.

“Vou ficar famoso”, disse um dos primeiros clientes à saída da loja, enquanto carregava uma perna de presunto, um dos produtos estrela da cadeia espanhola.Hugo Amaral/ECO

António Freitas, 54 anos, de Pedroso, foi outro dos primeiros visitantes. Depois do pagamento, confessa que foi “enviado” pela mulher, fã do lápis de olhos verde “difícil de encontrar noutros locais”. “Já conheço de Espanha, mas há aqui alguns produtos que são mais caros do que lá. Eu vim mais pelo lápis verde. Para a próxima vez tenho de trazer a minha esposa, que gosta destas coisas”, refere ao ECO.

Cá fora, no parque de estacionamento com 240 lugares, empurram-se carrinhos de compras enquanto, na rotunda ao lado, uma carrinha de uma marca da concorrência se passeia, ida e volta, a chamar a atenção para as alternativas. “Máxima qualidade, melhor preço”, pode ler-se no cartaz colorido.

Várias dezenas de pessoas esperavam pela abertura da primeira loja Mercadona em Portugal, cerca de meia hora antes da inauguração.Hugo Amaral/ECO

“Estamos muito satisfeitos pela forma como os ‘chefes’ portugueses [na Mercadona chamam “chefes” aos clientes] nos receberam. E esperamos estar em Lisboa dentro de dois anos“, anunciou o presidente da Mercadona, em declarações aos jornalistas no dia da inauguração.

Mais perto de Lisboa

Esta segunda-feira, na primeira visita técnica à loja do Canidelo, Juan Roig anunciou que a empresa está já à procura de um local na zona de Lisboa para começar a construir o segundo centro logístico da Mercadona em território nacional, que virá juntar-se ao que já existe na Póvoa de Varzim. Portugal foi o mercado escolhido pela Mercadona para iniciar a sua expansão internacional. Por cá, a cadeia de distribuição espanhola vai aplicar a mesma forma de expansão, “por mancha de azeite”.

O espaço da primeira loja foi pensado numa lógica de “compra cómoda”: corredores largos, carrinhos de compras sem moedas (mas com chip que os bloqueia assim que saem do espaço do parque de estacionamento), luz natural e reutilização de energia (o calor dos motores do aparelhos da loja são encaminhados para a zona dos pés dos clientes da zona dos refrigerados, para que sintam menos o frio) são alguns dos pormenores.

O projeto destas novas lojas foi pensado em parceria com o Instituto de Biomecânica de Valência, cidade-sede da empresa, e tem em conta, além das marcas de referência em cada categoria de produtos, os produtos próprios que já existem em Espanha, organizados em quatro marcas: Hacendado (alimentação), Bosque Verde (produtos de limpeza), Deliplus (cosmética e higiene) e Compy (animais).

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Curiosidade, produtos-estrela e um presunto ao ombro. Mercadona abriu portas aos “chefes” portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião