Direto Costa: salários da CGD são “manifestamente chocantes”

As propostas do PSD e CDS sobre os salários da CGD são votados esta tarde na Assembleia da República. O primeiro-ministro esteve no debate quinzenal e no debate preparatório do Conselho Europeu.

“Não houve nenhum plano B. Há um único plano A, que é governar bem”, disse António Costa, em resposta aos deputados da direita sobre o facto de Portugal se ter comprometido no Eurogrupo a tomar as medidas que sejam necessárias para cumprir as regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

O primeiro-ministro esteve esta quarta-feira na Assembleia da República para o debate quinzenal com os deputados e para o debate preparatório do Conselho Europeu. António Costa foi confrontado com as decisões do Eurogrupo, a polémica da administração da Caixa Geral de Depósitos, os resultados do PISA sobre os conhecimentos dos alunos portugueses e com o ponto de situação da economia portuguesa.

Costa assumiu que no que toca à compatibilização da administração do banco público com as determinações do Tribunal Constitucional, em matéria de declaração de rendimentos e património, a gestão do dossier correr “manifestamente mal ao Governo”. Mas tentou recentrar as atenções no que considera essencial: a aprovação da recapitalização pública por parte da Comissão Europeia.

No final dos debates, as propostas do PSD e CDS para limitar os salários dos gestores públicos foram votadas. A maioria parlamentar de esquerda já tinha avisado que votaria contra as propostas da direita. Assim foi: ficou tudo na mesma. Contudo, esta terça-feira os sociais-democratas ameaçaram enviar o decreto-lei que retirou os gestores da CGD do Estatuto do Gestor Público para o Tribunal Constitucional.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: salários da CGD são “manifestamente chocantes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião