Vice do PSD Lisboa quer Passos Coelho na corrida à autarquia

Rodrigo Gonçalves, vice-presidente do PSD Lisboa, quer ver o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho a concorrer - e a ganhar - as autárquicas em Lisboa. Está lançado o desafio.

O vice-presidente do PSD Lisboa, Rodrigo Gonçalves, defendeu na manhã desta sexta-feira, na rádio TSF, que o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho é a melhor pessoa dentro do partido para concorrer — e ganhar — a presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Rodrigo Gonçalves reconheceu que “o principal problema” para os sociais-democratas é “ganhar as eleições autárquicas”. “Só temos legislativas em 2019”, reiterou, pelo que “não se põe aqui a questão nacional”: “Nós temos de ter o melhor dos melhores”, sublinhou.

“Os lisboetas nunca perdoarão o PSD se não apresentar um candidato vencedor”, disse o vice-presidente àquela rádio. E, segundo a TSF, o desafio a Pedro Passos Coelho para entrar na corrida à maior autarquia do país já tinha sido feito por Rodrigo Gonçalves esta quinta-feira à noite, num jantar de Natal do movimento cívico “Lisboa Sempre”.

Para Rodrigo Gonçalves, o candidato do PSD deve ser “alguém que que conheça o país, alguém que conheça Lisboa” e alguém “com experiência demonstrada”. E foi perentório: “Só há uma pessoa: Pedro Passos Coelho.” A suportar a ideia, diz, estão também os números das legislativas: “[Passos Coelho] teve quase 40% dos votos e deixou o PS a quase 4%. Portanto, ganhou a todos, inclusive a António Costa”, garantiu.

Os lisboetas nunca perdoarão o PSD se não apresentar um candidato vencedor.

Rodrigo Gonçalves

Vice-presidente do PSD Lisboa

Uma vaga de fundo?

O provedor da Santa Casa da Misericórdia, Pedro Santana Lopes, disse que não. Que não se ia candidatar à Câmara Municipal de Lisboa. E o partido terá ficado desorientado. Desde então, estará à procura de um nome de força para cabeça de lista nas autárquicas do próximo ano.

O jornal i chegou a apontar os nomes de José Eduardo Moniz e de Laurinda Alves como possíveis candidatos à autarquia da capital, mas… o certo é que não é a primeira vez que o nome de Pedro Passos Coelho é posto debaixo deste teto.

Como indicou o comentador Pedro Mexia no programa Governo Sombra na semana passada, Luís Marques Mendes terá dito no espaço habitual de comentário na TVI que, para Câmara Municipal de Lisboa, o PSD teria de “tirar um coelho da cartola”. Pedro Mexia interpretou as palavras do ex-líder do PSD como apontando para uma possível candidatura de Passos Coelho à autarquia lisboeta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vice do PSD Lisboa quer Passos Coelho na corrida à autarquia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião