2016: Migrantes e refugiados, um drama sem solução à vista

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2016

A crise humanitária que tem levado milhares de migrantes e refugiados a procurarem refúgio na Europa, arriscando a vida em barcos frágeis e sobrelotados, atingiu proporções inéditas em 2016.

A crise humanitária não parece ter um fim à vista. De acordo com o balanço da Organização Internacional para as Migrações, até 7 de dezembro o Mediterrâneo tinha visto passar pelas suas águas 352.471 pessoas, com destino à Europa, sobretudo a dois países, Grécia e Itália, mas alguns também a Espanha e Chipre.

O número é menor do que a contabilidade registada ao mesmo dia do ano passado, mas o número de vítimas mortais cresceu. Até 7 de dezembro, morreram no mar 4.733 pessoas, mais 1.127 do que a 7 de dezembro de 2015.

O ano de 2016 foi, por isso, prolífico em manifestações de intenções e apelos à ação, conferências nacionais e internacionais, encontros a vários níveis, bilaterais e multilaterais.

Porém, continuou a faltar o que podia fazer a diferença: acordo sobre o que fazer aos milhares que continuam, e continuarão, a chegar à Europa, e vontade política para o executar.

O que é difícil que venha a acontecer, já que os Estados-membros da própria União Europeia (UE) não partilham a mesma opinião sobre o assunto, divididos entre os que lidam diariamente com o drama de milhares de pessoas fugidas à guerra e à miséria, os que estão dispostos a acolhê-los, como Portugal, e os que querem fechar-lhes a porta mesmo antes de os receberem.

Neste contexto, não é de estranhar que a própria UE tenha cumprido apenas 5% da meta de recolocação de refugiados prometida a Grécia e Itália, os dois países na linha da frente de quem desembarca por via marítima.

Face à perspetiva de ver chegar 1,2 milhões de refugiados, a UE decidiu, em setembro de 2015, fixar uma quota por Estado-membro, rapidamente rejeitada pelos países da Europa Central, que a consideram uma violação da soberania nacional.

Assiste-se a “uma dramática deterioração do sistema de proteção de refugiados” e à prevalência da “agenda da soberania nacional” sobre “a agenda dos direitos humanos”, assinalou, em novembro, em Lisboa, o próximo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Hungria – onde, num referendo sobre o assunto, não validado, por terem votado apenas 45% dos eleitores, 95% dos que votaram manifestaram-se contra receber migrantes – e Polónia não acolheram nem um refugiado e Eslováquia e República Checa receberam, juntos, apenas 21. O Reino Unido, que, mesmo antes do Brexit, já podia manter-se à margem de certas políticas europeias, entre as quais a de asilo, decidiu ficar de fora do esquema.

Portugal é o quarto país da UE que mais tem recolocado refugiados e, segundo um estudo europeu recente, é o país que revela maior abertura ao acolhimento dessas pessoas.

Mais de um ano depois da promessa da UE, dos 160 mil refugiados que estão na Grécia e em Itália e deveriam ter sido dispersados por outros Estados-membros, apenas 8.162 o foram.

Ainda assim, o comissário europeu responsável pelas migrações, Dimitris Avramopoulos, declarou recentemente que é possível cumprir o prometido até setembro do próximo ano.

Pelo meio, a UE decidiu fazer um acordo com a Turquia, que, desde março, recebeu 748 migrantes, recambiados por entrarem ilegalmente na Grécia. “[Os refugiados] são nossos prisioneiros. Deixaram os seus países, fugiram da morte, para entrar nas prisões europeias”, que são os campos de acolhimento, criticava, em entrevista à Lusa, em novembro, o especialista em migrações franco-argelino Sami Nair.

A juntar a isto, os movimentos xenófobos crescem um pouco por toda a Europa, alimentados pela vitória de Donald Trump, e dos seus argumentos antimigrantes, nos Estados Unidos.

O ódio contra migrantes e refugiados está a alastrar-se, alertava, em novembro, a Agência para os Direitos Fundamentais, apelando à “ação concertada” dos Estados-membros para o impedir.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2016: Migrantes e refugiados, um drama sem solução à vista

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião