Nobel da Economia reprovam Trumponomics

Vários economistas laureados com Prémio Nobel atribuem nota negativa a Trump e à política económica que pretende introduzir. Edmund Phelps considera que o Presidente eleito vai causar uma recessão.

Se Donald Trump fosse a exame de uma cadeira ministrada pelo economista norte-americano Joseph Stiglitz, o mais certo era chumbar. Vários economistas laureados com o Prémio Nobel da Economia reprovam o Presidente eleito e o seu plano económico. Mais grave do que isso: para Stiglitz, o republicano vai mesmo causar uma recessão na maior economia do mundo.

Trump toma posse já no dia 20 de janeiro. A poucos dias da sua tomada de posse, durante um encontro da American Economic Association, vários Nobel da Economia manifestaram as suas preocupações em relação à abordagem que o próximo inquilino da Casa Branca prometeu para a economia, desde o seu plano fiscal e de aumento dos gastos públicos até à sua visão protecionista que está a assustar várias empresas norte-americanas — algumas das coisas já voltaram atrás com os seus planos para investir fora do país.

“Há um consenso amplo de que este tipo de políticas que o nosso Presidente eleito propôs estão entre aquelas políticas que não vão funcionar”, referiu Stiglitz, Nobel da Economia em 2001, resumindo as opiniões que foram emitidas num painel que contou ainda com os economistas Edmund Phelps e Robert Shiller.

Phepls foi uma das principais vozes críticas. Para o professor da Universidade de Coumbia, a visão que Trump tem para o setor privado vai acabar por ser altamente nefasto para a competitividade. Argumentou que a interferência do republicano nas decisões das empresas vai acabar por desencorajar a entrada de novos competidores no mercado, privando a economia de fatores como concorrência e inovação.

"Há um consenso amplo de que este tipo de políticas que o nosso Presidente eleito propôs estão entre aquelas políticas que não vão funcionar.”

Joseph Stiglitz

Nobel da Economia em 2001

“O governo de Trump está a ameaçar lançar um pico de prata no coração do processo de inovação”, declarou o Nobel da Economia em 2006, considerando que o plano do republicano para baixar os impostos às empresas e aumentar os gastos públicos em infraestruturas não vai acabar bem. “Uma política como esta corre o risco de levar a uma explosão da dívida pública, causando uma séria quebra da confiança e uma profunda recessão”, salientou.

Uma opinião que foi partilhada por Roger Myerson, que manifestou a sua preocupação com as renegociações dos tratados comerciais e com a mudança para uma política “American First”. Tais abordagens podem comprometer a estabilidade financeira norte-americana, porque nenhum Governo do mundo vai querer comprar dívida norte-americana, diz Myerson, Nobel da Economia em 2007.

Para Stiglitz, a relação dos EUA com os outros países deve ter por base “a confiança”. “Isso está a ser desgastado“, frisou.

Robert Shiller foi o único Nobel da Economia presente naquele painel que preferiu não tentar prever o futuro dos EUA com Trump. “Sou um otimista natural e não queria estar a especular sobre quão mau poderá ser”, referiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nobel da Economia reprovam Trumponomics

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião