Ligações de Draghi à banca privada investigadas

  • Ana Luísa Alves
  • 20 Janeiro 2017

Mario Draghi está na mira das investigações europeias pela adesão ao Grupo dos 30 e pelas ligações ao setor financeiro privado, nomeadamente bancos supervisionados pelo BCE.

As ligações entre o Banco Central Europeu e o setor financeiro privado estão sob o escrutínio da União Europeia. Em causa está a ligação de Mario Draghi ao Grupo dos 30, uma organização privada dos mais importantes banqueiros mundiais.

A provedoria de justiça europeia vai averiguar a ligação do presidente do BCE ao grupo dos 30, onde existem também banqueiros cujas instituições são supervisionadas pelo Banco Central Europeu. O governador do Banco do Japão, do Banco de Inglaterra, e do Banco Popular da China também são membros do Grupo dos 30.

O ex-presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, e o ex-presidente da Fed, Ben Bernanke, estão igualmente incluídos no grupo, bem como o presidente do Credit Suisse, Tidjiane Thiam, Axel Weber, líder do UBS, Philipe Hildebrand, vice-presidente do BlackRock, e o ex-presidente do Swiss National Bank.

O inquérito aberto além de investigar as ligações de Draghi ao setor financeiro privado também vai incidir sobre o facto de o Banco Central Europeu ter estado envolvido em alguns escândalos relativos a divulgação acidental de informações financeiras sensíveis antes da sua publicação no site do banco.

A provedora de justiça europeia Emily O’Reilly, que abriu o inquérito ao BCE esta sexta-feira depois de uma queixa vinda do Corporate Europe Observatory, um grupo que se foca no lobbying.

Queixa semelhante foi feita pelo mesmo grupo em 2012, mas não chegou a ser investigada. Desde então, o BCE ganhou algum poder sobre os principais bancos europeus, na sequencia do aprofundar das regras da União Bancária.

“A minha decisão de abrir este inquérito reflete as maiores responsabilidades que têm recaído sobre o BCE nos últimos anos”, disse Emily O’Reilly ao Financial Times.

O Ombudsman Europeu não tem poder para sancionar Mario Draghi, mas pode investigar documentos privados e certificar-se de que são analisados por uma entidade judicial competente para tal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ligações de Draghi à banca privada investigadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião