Taxa de juro dos empréstimos na habitação em novo mínimo

Juros no crédito à habitação continuam a cair para mínimos de sempre mês após mês.

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação registou um decréscimo de 0,004 pontos base, passando de 1,032% em novembro para 1,028% em dezembro, para um novo mínimo de sempre, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo INE.

De acordo com os mesmo dados, nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro implícita foi 1,879%, um valor que compara com 1,937% no mês anterior.

No destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no crédito à habitação, a taxa de juro implícita no conjunto de contratos fixou-se em 1,043% (1,047% em novembro). Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro passou de 1,917% em novembro para 1,857% em dezembro.

Já o valor médio da prestação vencida manteve-se nos 237 euros pelo quarto mês seguido. Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação foi de 301 euros em dezembro, abaixo dos 306 registados em novembro.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Taxa de juro dos empréstimos na habitação em novo mínimo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião