Portugal vai fazer novas amortizações ao FMI

  • ECO
  • 31 Janeiro 2017

Com os bancos a devolver a ajuda ao Estado, Portugal tem uma margem maior para fazer novas amortizações ao FMI, disse António Costa ao lado de Ana Botín. A Presidente do Santander elogiou o Totta.

O primeiro-ministro, António Costa (E), acompanhado pela presidente do grupo Santander 5ðB@ÈfŠ—D\d(lHHÿØÿÛC $.'

O primeiro-ministro considerou hoje que Portugal pode fazer novas amortizações no pagamento da dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI), devido à “evolução positiva” do setor financeiro, que permite a devolução das ajudas públicas. Uma evolução positiva que levou Ana Botín, a presidente do Banco Santander a sublinhar que o Totta é um exemplo para o grupo.

Portugal tem “um nível de endividamento público e privado elevado. Mas está a melhorar. A dívida líquida, no ano passado, reduziu-se pela primeira vez. E a dívida bruta, sem contar com as operações de apoio ao sistema financeiro [Banif e CGD], também teria sido reduzida“, destacou António Costa, na cerimónia de inauguração do edifício sede do Banco Santander Totta.

Segundo António Costa, caso se confirme a libertação de saldos primários prevista pelo executivo, será possível “responder positivamente à gestão da dívida”. “O Estado dispõe hoje de margens de conforto da sua solidez. E a evolução positiva do sistema financeiro indica que não se repetirão as necessidades que justificaram os desenvolvimentos do ano passado”, realçou.

O primeiro-ministro apontou para a “devolução de CoCos” do Banco Comercial Português (BCP), que ascendem a 700 milhões de euros e que serão pagas ao Estado depois de concluído o aumento de capital do banco em curso, e para a devolução das verbas relativas ao auxílio ao Banco Privado Português (BPP), para considerar que será possível fazer “novas amortizações no pagamento ao FMI”.

Economia está a acelerar

Além disso, António Costa confirmou que a economia nacional está a acelerar. “Portugal está a acelerar o seu ritmo de crescimento e no terceiro trimestre do ano passado teve o ritmo mais alto de toda a União Europeia”, afirmou o governante, dizendo que, relativamente ao quarto trimestre, os dados disponíveis permitem antecipar que “não só tenha consolidado, mas até acelerado um pouco o que eram os dados do terceiro trimestre”.

E realçou: “Assistimos a um crescimento equilibrado entre a procura interna e externa. E também entre o consumo e o investimento”.

Segundo António Costa, “as empresas estão a investir” e “os dados do emprego são claríssimos“, indicando uma melhoria.

O primeiro-ministro apontou para os dados provisórios do desemprego libertados na segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE)

“A taxa de desemprego de 10,2% significa a redução de mais de dois pontos percentuais ao longo de 2016. Em termos líquidos foram criados 100.000 postos de trabalho”, vincou.

De resto, o governante apontou também para o défice, dizendo que “hoje é seguro que o défice de 2016 não será superior a 2,3%, isto é, o défice mais baixo dos últimos 42 anos”, desde que há democracia em Portugal.

“Essa consolidação do défice foi feita num contexto que permitiu fazer uma reposição de rendimentos às famílias e redução da carga fiscal. Prosseguiremos ao longo deste ano com um objetivo muito exigente: redução do défice para 1,6% do nosso Produto” Interno Bruto (PIB), assinalou.

António Costa falava durante a cerimónia de inauguração do novo edifício-sede do Banco Santander Totta, em Lisboa, que contou também com a presença de Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), de Ana Botín, presidente do grupo financeiro espanhol Santander, e de António Vieira Monteiro, presidente do BST.

“Totta é um exemplo para o Grupo Santander”

A presidente do Banco Santander, Ana Botín, destacou a robustez financeira do Santander Totta, que conseguiu gerar resultados positivos durante os últimos anos apesar da grave crise económica que assolou Portugal.

“O Totta é um exemplo para o Grupo Santander. A sua maneira de gerar resultados é a maneira correta“, afirmou a banqueira, durante a cerimónia de inauguração da nova sede do Banco Santander Totta (BST) em Lisboa.

“Este edifício é um reflexo dos valores que temos no banco, que é o banco número um na Europa e número seis no mundo“, destacou Ana Botín, que lidera o grupo financeiro espanhol, assegurando: “Estamos aqui para contribuir para o desenvolvimento das pessoas e das empresas”.

Ana Botín aplaudiu ainda o esforço de consolidação orçamental que Portugal tem feito, a par das políticas seguidas para estimular o crescimento económico. “Os portugueses e os espanhóis trabalham no duro e os nossos países fizeram um enorme esforço nos últimos anos”, realçou a responsável.

Fernando Medina deixou um “agradecimento ao BST e a toda a administração pela decisão” de investir numa nova sede em Portugal — um investimento de 28,5 milhões de euros — vincando que “não foi uma decisão qualquer, nem num tempo qualquer”, uma vez que o país vivia então mergulhado numa profunda crise económica.

“Hoje a cidade vive tempos de investimento. Mas não me esqueço quando foi tomada a decisão, quando se viviam tempos difíceis. Foi preciso audácia, coragem e foi uma demonstração de confiança na cidade e no país”, atirou o presidente da CML.

Já Vieira Monteiro destacou que a decisão de investir neste edifício, da responsabilidade do arquiteto Frederico Valsassina, que acolhe 2.500 trabalhadores do banco só foi possível porque o BST “nunca perdeu dinheiro durante todos os anos da crise”.

Além disso, reforçou, “sempre distribuiu dividendos aos seus acionistas e sempre reforçou os seus capitais próprios por si próprio”, acrescentando que “está a ser concebido o futuro da banca”. “Estas são as nossas estratégias: ser o melhor banco comercial em Portugal e dar retorno aos acionistas”, declarou.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Portugal vai fazer novas amortizações ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião