Roadshow da CGD: Interesse elevado mas preço também

Banco diz que recebeu "forte interesse" da parte de 120 investidores nos últimos três dias do roadshow em Lisboa, Paris e Londres. Ao ECO, uma fonte adiantou que mercado exige taxa superior a 10%.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) já terminou o roadshow para a venda de 500 milhões de euros em obrigações junto de investidores privados internacionais, depois de apresentações em Lisboa, Londres e Paris. O objetivo é ‘abrir os livros’ ainda esta semana para uma colocação que, se fosse hoje, sairia acima dos 10%.

A operação de emissão de obrigações perpétuas Additional Tier 1 (AT1) é uma condição necessária para a concretização do aumento de capital do Estado em dinheiro fresco (2,5 mil milhões de euros), imposta pela Direção Geral da Concorrência europeia (DGComp). Porquê? É o teste de mercado para assegurar que a capitalização pública não configura uma ajuda de Estado, agora de 500 milhões de euros e, no prazo de 18 meses, de mais 430 milhões.

De acordo com uma fonte do ECO que acompanhou o roadshow, os investidores estão resistentes a uma operação abaixo dos 10%, embora as próximas horas sejam decisivas para apuramento do preço final, até em função da procura que vier a surgir. “Se fosse hoje, seria entre 10% e 11%”, acrescenta a mesma fonte.

Entretanto, no comunicado enviado esta tarde à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco liderado por Paulo Macedo deu conta de “um forte interesse” dos 120 investidores institucionais com quem esteve reunido. Investidores estes que demonstraram “profundo conhecimento acerca da CGD e do setor financeiro português”.

A emissão da CGD está condicionada por vários fatores, uns externos e outros internos, adianta outra fonte de mercado. “Os investidores têm muito presente o que sucedeu aos obrigacionistas seniores do Novo Banco em dezembro de 2015 e o comunicado das últimas horas da Pimco e da BlackRock só piorou a situação”. Depois, há bancos espanhóis, como o Popular, a transacionar acima dos 10%. Além disto, “os investidores têm dúvidas sobre a capacidade de cumprimento do plano estratégico perante um acionista que é o Estado”. O ECO também sabe que jogaram neste processo as preocupações em Portugal com a redução de custos da Caixa: a resistência nacional ao encerramento de balcões estará a ser mal recebida pelos investidores. A mesma fonte garantiu que o banco não abrirá os livros enquanto não tiver “indicações de que há mercado”.

Ainda ontem, a DBRS emitiu uma nota a questionar as metas prometidas pela administração de Paulo Macedo. “Embora as iniciativas de redução de custos sejam necessárias para o banco regressar aos lucros sustentáveis, a DBRS acredita que mais iniciativas no lado das receitas serão também necessárias”, refere a agência canadiana, num comentário sobre o plano estratégico já anunciado. “A DBRS nota que o plano estratégico para 2017-2020 recentemente anunciado pela CGD apresenta desafios de execução. Alguns dos objetivos-chave do plano são ambiciosos, sobretudo em relação à significativa melhoria da qualidade dos ativos e o regresso do banco aos lucros em 2018”, enfatizam.

“A DBRS vê que a CGD deverá pagar um custo elevado com este instrumento AT 1, o que poderá pesar ainda mais no regresso da CGD aos lucros, particularmente considerando a fraca geração de resultados do banco e os prejuízos pelo sexto ano seguido”, frisa ainda a agência canadiana, que atribui ao banco público um rating BBB (low), com implicações negativas.

A CGD, note-se, vai colocar estes títulos perpétuos, com um trigger de 5,125%, através do Luxemburgo, para ser mais rápida, já que neste país o nível de exigência em termos de informação a prestar em operações deste tipo é muito menos apertado do que o exigidos pela CMVM.

(Atualizado com a correção de erro sobre o juro do cupão. Os 5,125% referem-se ao trigger das obrigações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roadshow da CGD: Interesse elevado mas preço também

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião