Teresa Leal Coelho promete taxa de IMI de 0% em Lisboa

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 30 Março 2017

"Embora nós tenhamos um IMI baixo, esse IMI pode passar mesmo para o nível 0%", afirmou a candidata do PSD em entrevista ao Observador.

Se Teresa Leal Coelho ganhar a Câmara de Lisboa, o IMI pode baixar para zero. E a taxa de proteção civil na fatura da água vai desaparecer “na primeira oportunidade”. Promessas deixadas em entrevista ao Observador.

“Embora nós tenhamos um IMI baixo, esse IMI pode passar mesmo para o nível 0%“, afirmou a candidata do PSD, apontando para “uma faculdade que a Câmara tem de fazer”. Mas o principal problema para Teresa Leal Coelho “é o valor patrimonial sobre o qual incide o IMI”, uma responsabilidade que atribui à atual maioria.

A candidata entende que o turismo é importante mas discorda da “linha de orientação” do atual presidente da autarquia, Fernando Medina, que diz ser “fundamentalmente vocacionada para aquilo que é o negócio imobiliário e também o turismo”, sobrepondo-se a uma política virada para as pessoas.

Teresa Leal Coelho também promete reduzir a fatura da água: “Seguramente que irei revogar a taxa de proteção civil que é paga no âmbito da fatura da água”, por ser “inconstitucional” e “injusta”. Além disso, defende a concessão da Carris e Metro a privados, considerando que isso permitirá aumentar a qualidade do serviço. Mas assume que não usa, em regra, transportes públicos.

Sobre a ausência nas reuniões da Câmara enquanto vereadora, a candidata do PSD afirmou que as suas substituições “decorreram quase exclusivamente para assegurar outras responsabilidades políticas” e prometeu mais assiduidade enquanto presidente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teresa Leal Coelho promete taxa de IMI de 0% em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião