Ufa, França. Quais são as próximas eleições decisivas?

Este domingo foi mais um alívio para o Ocidente, com a vitória de Emmanuel Macron. Contudo, 2017 e 2018 são anos recheados de eleições: do Brasil aos Estados Unidos, da Alemanha ao Reino Unido...

Superadas as eleições holandesas e francesas, os próximos meses do ano continuam a ser determinantes para o futuro do mundo. Os olhos estavam postos nas eleições alemãs no final de setembro, mas uma reviravolta no Reino Unido vai levar Theresa May às urnas mais cedo. No próximo ano, é vez de mais um país do Sul da Europa ir a votos, desta vez a Itália, depois da derrota de Renzi no referendo.

Do outro lado do globo, em outubro de 2018, é a vez de os brasileiros tirarem as teimas depois do impeachment de Dilma e a ascensão de Temer. A terminar o ano, as eleições para o Congresso norte-americano vão ser uma prova de fogo da administração de Donald Trump. Mas não só: esta será a oportunidade dos democratas contrabalançarem o domínio total dos republicanos com o Congresso, Senado e Casa Branca. Eis as principais eleições que se avizinham, segundo o guia da Bloomberg:

  • Coreia do Sul – Eleições presidenciais a 9 de maio

A ex-primeira-ministra Park Geun-hye demitiu-se depois de um escândalo de corrupção que a envolveu com as principais empresas do país. A importância das eleições reside na política futura dos sul-coreanos face a ameaça de armas nucleares por parte da Coreia do Norte. Um dos candidatos, Ahn Cheol-soo, apoia a instalação de uma proteção míssil dos Estados Unidos na Coreia do Sul. O ex-líder da oposição Moon Jae-in também concorre.

  • Malta – Eleições legislativas a 3 de junho

Mais uma baixa provocada pelo escândalo dos Panama Papers: desta vez é o primeiro-ministro maltês demissionário e a sua mulher a serem acusados de serem proprietários de uma conta offshore no Panamá. O Ministério Público de Malta está a investigar o caso, mas Joseph Muscat rejeita qualquer envolvimento. A eleição ganha importância por duas razões: primeiro porque Malta está a assumir, até final de junho, a presidência rotativa da União Europeia; e porque o caso vai chegar em breve à comissão de inquérito aos Panama Papers que decorre no Parlamento Europeu.

  • Reino Unido – Eleições gerais a 8 de junho

Os políticos britânicos têm feito jogadas arriscadas: depois de o referendo prometido por Cameron resultar no Brexit, é a vez de Theresa May querer a legitimação das urnas para negociar os termos de saída do Reino Unido da União Europeia. O Partido Conservador, liderado por May, quer a maioria absoluta e as sondagens estão a dar-lhe razão para já, uma vez que a oposição (Partido dos Trabalhistas) está com percentagens tímidas. As eleições vão ser decisivas para as negociações que irão decorrer durante os próximos dois anos com a União Europeia.

  • França – Eleições legislativas a 11 e a 18 de junho

Esta é a primeira prova decisiva que Emmanuel Macron, o recém-eleito Presidente de França, vai ter de enfrentar enquanto líder do país. Sem partido — apenas com o movimento En Marche! –, Macron vai ter de pensar numa estratégia que lhe permita governar sem forças de bloqueio no Parlamento francês. Ao contrário do que aconteceu nas eleições presidenciais, prevê-se que os partidos já estabelecidos consigam melhores votações pela sua capacidade de mobilização local e regional, depois de serem eliminados da segunda volta das presidenciais. O mais provável é que Macron tenha de acertar alianças com os socialistas e republicanos.

  • Angola – Eleições presidenciais a 23 de agosto

João Lourenço, candidato do partido no poder à sucessão de José Eduardo dos Santos, vai a votos. No verão os olhos estarão postos na decisão dos angolanos, mas não só: existem receios sobre a fiabilidade dos resultados e a oposição já pediu maior controlo e transparência. A UNITA tem insistido na necessidade de uma auditoria independente à base de dados dos mais de 9,4 milhões de eleitores registados no processo de atualização, concluído a 31 de março.

  • Alemanha – Eleições gerais a 24 de setembro

Angela Merkel quer continuar a liderar a principal economia europeia, depois de 12 anos no poder. O seu oponente é Martin Schulz, o ex-presidente do Parlamento Europeu que foi eleito como candidato dos sociais-democratas alemães (SPD). Os democratas cristãos de Merkel continuam em primeiro nas sondagens, mas ainda faltam vários meses até ao momento de ir às urnas. Consoante a linguagem usada na campanha, poderá ser expectável uma grande coligação entre os dois principais partidos alemães, mas há uma certeza: o chanceler alemão será crucial para a reforma que Macron quer fazer na União Europeia.

  • Itália – Eleições legislativas em maio de 2018

Depois da derrota no referendo constitucional, Matteo Renzi ganhou as eleições internas no seu partido e voltará a concorrer para formar Governo em Itália. Um dos seus principais oponentes será Luigi Di Maio, aquele que tem sido indicado como o candidato mais provável do movimento extremista Cinco Estrelas. Este movimento quer fazer um referendo sobre a manutenção de Itália na Zona Euro, mas — tal como Marine Le Pen — não tem um plano claro sobre como seria a substituição do euro. Consoante os desenvolvimentos dos próximos meses, esta será mais uma prova de fogo para a Europa.

  • Brasil – Eleições presidenciais em outubro de 2018

Depois do impeachment de Dilma Roussef, o seu vice-presidente Michel Temer tomou posse, mas diz que não se vai recandidatar. Quem poderá regressar é uma figura já bem conhecida dos brasileiros: Lula da Silva, o ex-presidente do Brasil que esteve no poder de 2003 a 2010. Os eleitores parecem gostar dessa ideia uma vez que Lula da Silva domina as sondagens com 30%, seguido por Marina Silva, uma ativista ambiental. O tema dominante das eleições será certamente o desenvolvimento económico: mesmo com a realização dos Jogos Olímpicos de 2016, o Brasil está em recessão e em 2017 espera crescer… 0%.

  • Estados Unidos – Eleições para o Congresso a 6 de novembro de 2018

A data está marcada, tal como acontece nas eleições presidenciais. Os 453 lugares do Congresso norte-americano vão a votos, assim como um terço dos 100 lugares no Senado. Dada a complexidade do sistema eleitoral norte-americano, ainda é cedo para se perceber quem terá vantagem. Um dos pontos cruciais será o desempenho da administração Trump, nomeadamente no cumprimento das suas promessas eleitorais.

O Partido Democrata precisa de ganhar vantagem no Congresso ou no Senado para voltar a ter influência na vida política norte-americana e fazer oposição a Donald Trump. Contudo, no Senado, são mais os lugares detidos por democratas a ir eleições do que republicanos, o que torna difícil essa tarefa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ufa, França. Quais são as próximas eleições decisivas?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião