Poupança com a dívida puxa pelos lucros da REN

A REN fechou o primeiro trimestre com lucros de 13,5 milhões de euros, um aumento de 121,5% explicado com a diminuição do custo da dívida. No entanto, a dívida líquida subiu.

Os lucros da REN dispararam no primeiro trimestre deste ano. A empresa apresentou um resultado líquido de 13,5 milhões de euros, mais 121,5% do que no mesmo período do ano passado. É um acréscimo de 7,4 milhões de euros que a REN justifica, sobretudo, com uma “descida progressiva do custo médio da dívida”.

O resultado líquido é, assim, bastante superior devido à redução dos custos com a dívida, que levou o resultado financeiro da empresa a melhorar 33,9% face ao período homólogo, uma poupança de 7,9 milhões de euros. No entanto, no geral, a dívida líquida aumentou 2,8% com a compra de 42,5% do capital social da Electrogás e ficou ligeiramente acima dos 2.543 milhões de euros.

Os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) fixaram-se nos 123,7 milhões de euros, um crescimento de 2,1% devido à “subida da taxa de remuneração dos ativos da eletricidade”, que aumentou 0,5 pontos percentuais em termos homólogos e que, agora, se cifra nos 6,5%. Os investimentos cresceram para 13,2 milhões de euros, enquanto as transferências para exploração aumentaram para 1,1 milhões de euros.

Num comunicado submetido à CMVM, a empresa refere que, “à semelhança do sucedido nos últimos anos, os resultados foram penalizados pela aplicação da contribuição extraordinária do setor energético”. No primeiro trimestre, essa contribuição foi de 25,8 milhões de euros, valor que compara com os 25,9 milhões registados nos três primeiros meses de 2016.

(Notícia atualizada às 17h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Poupança com a dívida puxa pelos lucros da REN

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião