Estrelas da Premier League querem ser pagas como Gisele. Em euros

Há dez anos, Gisele Bündchen quis passar a ser paga em euros devido à queda do dólar. Agora, com a libra em queda livre por causa do Brexit, as estrelas das Premier League querem as notas do BCE.

A Premier League está com um problema. Os astros do futebol já não sentem o apelo das libras. Tal como aconteceu com a supermodelo brasileira Gisele Bündchen em 2007, também os jogadores do campeonato britânico preferem agora ser pagos em euros. A culpa é do Brexit, que atirou a moeda para mínimos.

Cliff Baty, o administrador financeiro da Premier League, revelou ao Financial Times (acesso pago) que a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia, que levou a libra a registar uma forte queda nos mercados internacionais, afundando face ao euro, complicou a transferência de grandes nomes do futebol para Inglaterra.

“Foi um pouco complicado, no ano passado, quando estávamos a tentar contratar grandes jogadores e estes nos questionavam o pagamento em libras”, nota. “Muitos jogadores europeus querem ser, agora, pagos em euros, mas nós vivemos com libras… e gerir isso é um pouco complicado“, acrescentou o responsável.

A libra acumula uma queda de 2,5% face ao euro, este ano, estando a valer 1,145 euros. Chegou, em outubro, ao valor mais baixo em décadas, perante a perspetiva de uma grande crise económica na eventualidade de haver uma saída da União Europeia de forma brusca, sem ficarem salvaguardados vários acordos comerciais com a União Europeia.

A queda do dólar em 2007, que permitiu ao euro chegar a cerca de 1,60 dólares, levou, à data, a que várias estrelas mundiais começassem a afastar-se da divisa norte-americana. Esta movimentação ganhou maior expressão quando Gisele Bündchen anunciou que queria passar a ser paga em euros, procurando maximizar assim os seus cachets.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estrelas da Premier League querem ser pagas como Gisele. Em euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião