Grupo José de Mello Saúde investe 30 milhões em novo hospital CUF em Sintra

  • ECO
  • 4 Julho 2017

O Grupo José de Mello Saúde vai investir 30 milhões de euros num novo hospital CUF em Sintra e que vai criar 345 postos de trabalho, 200 dos quais para médicos.

A nova unidade hospitalar integrada na rede CUF vai nascer nas antigas instalações da Schering e substituir a atual Clínica CUF Sintra, estando prevista a sua abertura faseada a partir do primeiro semestre de 2018, adiantou à agência Lusa fonte do grupo.

O Grupo José de Mello Saúde vai apresentar esta terça-feira este investimento de 30 milhões de euros e que vai criar 345 postos de trabalho, 200 dos quais para médicos.

Somando este investimento aos 30 milhões de euros da Clínica CUF Almada, aos 100 milhões de euros da CUF Tejo e aos 50 milhões de euros da expansão da CUF Descobertas, a que acresce ainda a verba associada ao alargamento da CUF Cascais, o investimento da José de Mello Saúde em Portugal entre 2016 e 2020 ultrapassa os 200 milhões de euros.

De acordo com a José de Mello Saúde, “a futura unidade vai dispor de uma oferta clínica abrangente, incluindo as áreas assistenciais de consulta e respetivos meios complementares de diagnóstico, atendimento permanente geral e pediátrico, exames especiais, hospital de dia, bloco e internamento, numa área de 12.800 metros quadrados, com dois pisos operacionais e 240 lugares de estacionamento”.

No total, o Hospital CUF Sintra terá capacidade para 40 gabinetes de consulta, 15 salas de exames, seis gabinetes de atendimento permanente (adulto e pediátrico) e três salas de bloco, complementada com 30 quartos de internamento com uma capacidade até 60 camas e uma unidade de cuidados intermédios.

O cronograma de abertura da nova unidade prevê a inauguração das áreas de atendimento permanente, consultas, imagiologia e exames especiais durante o primeiro semestre de 2018, após o que numa segunda fase, ainda no próximo ano, entrarão em funcionamento o bloco de cirurgia de ambulatório e os exames especiais.

Em 2020 entram “em pleno funcionamento” o bloco convencional, o internamento, os cuidados intermédios e o hospital de dia.

Com este investimento, a José de Mello Saúde passará a gerir oito hospitais (CUF Infante Santo, CUF Descobertas, CUF Cascais, CUF Porto, CUF Torres Vedras, CUF Viseu, CUF Santarém e CUF Sintra), sete clínicas (Clínica CUF Belém, Clínica CUF Alvalade, Clínica CUF Almada, Clínica CUF São Domingos de Rana, Clínica CUF Miraflores, Clínica CUF Mafra e Clínica CUF São João da Madeira) e o Instituto CUF Porto.

Sob sua gestão, em regime de parceria público-privada, estão ainda os hospitais do Serviço Nacional de Saúde em Braga e Vila Franca de Xira.

O Diário de Notícias sublinha que “os privados entram em força em Sintra” dias depois do presidente da câmara, Basílio Horta, ter colocado a primeira pedra do hospital financiado pela autarquia. A semana passada o edil assinou um protocolo com os ministérios da Saúde e das Finanças para construir uma unidade pública que vai representar um investimento de 30 milhões de euros por parte da autarquia para pagar a totalidade da construção. O nono hospital, uma reivindicação antiga da população do concelho, vai funcionar em ligação direta com o Amadora-Sintra e deverá estar concluído em 2021.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo José de Mello Saúde investe 30 milhões em novo hospital CUF em Sintra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião